terça-feira, 28 de maio de 2013

Austeridade sem troika

Miguel Noronha in O Insurgente 


…e com contas públicas bem mais saudáveis que as nossas. Na Holanda
O Governo holandês, liderado pelo liberal Mark Rutte, prepara-se para acelerar o ritmo de redução dos funcionários públicos. A intenção do Executivo (que governa em coligação com os socialistas) é reduzir o universo da Função pública, que integra actualmente cerca de 150 mil trabalhadores, em 8% a 12% até 2018.
“A dívida do Estado continua a subir e o défice orçamental ainda é demasiado elevado. O governo tem de gastar de acordo com os meios de que dispõe e terá de reduzir a despesa pública para um patamar mais baixo”, explica Stef Blok, o ministro da tutela, em carta enviada ao parlamento holandês, citada pela Reuters.
A Holanda, quinta maior economia da zona euro, fechou 2012 com um défice de 4,1% do Produto Interno Bruto (PIB) e uma dívida pública de 71,2% do PIB. O défice e a dívida ultrapassaram os limites europeus ( de 3% e de 60%, respectivamente) pelo quarto ano consecutivo. Não obstante, o défice holandês tem vindo a cair desde 2009: nessa ano era de 5,6% do PIB; decresceu para 5,1% em 2010 e para 4,5% em 2011.
O Governo holandês anunciou no início deste ano um reforço das medidas de contenção no valor de 4,3 mil milhões de euros. “Precisamos de medidas adicionais em 2014 para pôr em ordem as finanças do Governo”, revelou então o primeiro-ministro Mark Rutte. O novo pacote de austeridade acresce aos cortes orçamentais de 16 mil milhões de euros que haviam sido já definidos para este e para os próximos três anos.