sexta-feira, 28 de junho de 2013

Crónicas da corrupção em Portugal I

Portimão. Município gastou 2,5 milhões a modernizar estádio


Obras foram feitas através de ajustes directos. Luís Carito, o vice-presidente detido na quarta-feira, foi sócio do director do Portimonense

A Portimão Urbis, empresa municipal da câmara com maior endividamento per capitado país, gastou 2,46 milhões a modernizar o estádio de futebol do Portimonense. Todos os contratos, adjudicados entre Agosto de 2010 e Outubro de 2011, foram celebrados sem qualquer concurso público. Ou seja, por ajustes directos. Luís Carito, vice-presidente socialista detido esta quarta-feira e que fica em prisão preventiva até ter uma pulseira electrónica, era à data dos factos membro do conselho de administração daquela empresa municipal e foi sócio do director do Portimonense - José Fernando Teixeira da Rocha - numa empresa. Os outros quatro detidos foram libertados na noite de sexta mediante caução e estão impedidos de comunicar uns com os outros. (...)

Esta é apenas uma peça de um puzzle que está a ser analisado e que leva a PJ e o Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) a suspeitarem de corrupção, branqueamento, administração danosa e participação económica em negócio (aplica-se a funcionários que lesem os interesses públicos).

Como o i avançou ontem, está em causa um esquema que terá prejudicado a Portimão Urbis em milhões de euros e que envolve a Picture Portugal (empresa parceira da Cidade do Cinema), os seus administradores (Luís Varela Marreiros e Artur Curado) e dois autarcas do município algarvio (o vice-presidente e o vereador Jorge Campos).