terça-feira, 4 de junho de 2013

das manifs em Portugal

As próximas manifestações dos movimentos e partidos contra a austeridade dispensam cobertura. Assim evita-se o constrangimento do frio e da praia roubarem os manifestantes. Antes de acabarmos na explicação de que os manifestantes não se manifestam porque estão cheios de fome o melhor será as manifestações tornarem-se virtuais: convocam-se, divulgam-se os seus magnos objectivos, os jornalistas entrevistam pessoas que concordem com esses objectivos e depois em estúdio comenta-se o sucesso da iniciativa. Fica tudo feliz!!

Helena Matos in Blasfémias


No outro dia, havia pouca gente na “manif” contra a austeridade porque estava “frio”. Hoje, diz a senhora do “15 de Outubro”, é “normal” estar pouca gente porque “está calor”. Já não se fazem revolucionários como antigamente.

Bruno Alves no Insurgente

Metro de Lisboa, linha vermelha. Um grupo de jovens fazia uma enorme algazarra, gritando, falando alto, agredindo-se na brincadeira, pondo os pés em cima dos assentos e ocupando o corredor de circulação da carruagem. Os passageiros portugueses ou afastavam-se ou ignoravam a cena. Um turista estrangeiro, com ar de apoiante da gauche bloquisto-socialista, sorria e parecia achar imensa graça às palhaçadas. Há sempre público para o circo e o circo só vinga porque alguém o aplaude.