sábado, 1 de junho de 2013

Rússia condena decisão da UE de levantar embargo de armas aos rebeldes sírios, mas afirma ter direito a fornecê-las a Assad

A Rússia fornece armas à Síria legalmente, enquanto a União Europeia comete um erro ao levantar o embargo do fornecimento de armas aos rebeldes sírios, declarou o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia.

“Vocês não podem dizer: e a Federação da Rússia? Primeiro, a Rússia fornece armas ao regime legítimo. Isto não é uma discussão abstrata, quais os poderes legítimos e porque é que eles têm direito a receber estes ou aqueles armamentos, mas a outra parte não tem direito”, acrescentou Serguei Riabov, numa conferência de imprensa em Moscovo.
Ele reafirmou que o seu país considera um erro a decisão de levantar o embargo do fornecimento de armas aos rebeldes sírios.
“Não se pode, por um lado, declarar o seu desejo de pôr fim ao derrame de sangue, e, por outro lado, injetar mais armamentos na Síria”, frisou.
"Isso é um reflexo dos "padrões duplos" e um prejuízo direto da perspetiva de convocação da conferência internacional (sobre a Síria), acordada por Serguei Lavrov, ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, e John Kerry, secretário de Estado norte-americano a 07 de maio", acrescentou Serguei Riabkov.
“Indo através de uma parte do espetro político e agindo a despeito de todas as normas e compromissos, a União Europeia atira, de facto, gasolina para o fogo do conflito e diminui as possibilidades da realização com êxito da conferência”, considerou.
O diplomata russo defendeu que o fornecimento de complexos de defesa antiaérea S 300 à Síria “é um fator estabilizador na Síria e travam as “cabeças quentes” que defendem a participação de forças externas no conflito”, concluiu.

In Da Rússia