terça-feira, 15 de julho de 2014

A Suiça e as greves

É muito raro haver greves em território suiço .... sabem porquê ?
A Suíça tem, durante muitas décadas, gozado de grande acalmia no que se refere a relações laborais, pois resolve as questões de forma amigável. 
Um acordo, de 1937, assinado entre o sindicato dos metalúrgicos e os empregadores do ramo, estabeleceu/regulou como se deveriam resolver as disputas entre as partes.
Por um lado, os sindicatos comprometeram-se a não usar a greve como arma para resolver queixas e problemas. Por outro lado, os empregadores concordaram em aceitar a arbitragem externa para resolver as reivindicações salariais. 
Como resultado, as greves são muito raras, muito embora, e de forma ocasional, os trabalhadores possam parar (de trabalhar) por algumas horas, normalmente como parte de uma campanha. 
Qualquer outro tipo de greve, mais longo, é uma prática muito rara.

O movimento sindical suíço 
Cada funcionário tem o direito de decidir se quer pertencer ao sindicato, ou não. Os sindicatos são financiados através das contribuições dos membros da associação sindical, não são financiados pelo Estado, ou tão pouco por partidos políticos. 
Em 2004, cerca de 25% dos trabalhadores em território suíço pertenciam a um sindicato. No Reino Unido, 29% dos trabalhadores são sindicalizados. A média da União Europeia é de 26%. Nos EUA, apenas 13% do total de trabalhadores está associado a um sindicato.
A Federação Suíça de Sindicatos (Gewerkschaftsbund / União Sindical Suisse), e a Travail Suisse são os dois maiores agregadores de organizações sindicais. A Federação Suiça agrega 16 organizações sindicais (fundamentalmente, indústria e construção), e a Travail agrega 13 organizações sindicais.
Existem orgãos sindicais independentes destas duas redes/agregadores, nomeadamente, o sindicato de professores e funcinários administrativos.
Os sindicatos na Suíça contribuem para o actual sistema de segurança social, incluindo seguros de doença, acidente e desemprego (aliás, tal como conhecia na suécia - e tudo isto está fora do Estado, pois o subsidio de desemprego estatal é miserável, e igual para todos a partir de um limite muito baixo ... a A-kassa).
O sistema de democracia directa dá aos sindicatos suiços um papel importante na vida política do país, e este está presente à mesa de todas as discussões se assim o entender. No sistema suíço, há representação de todos os grupos de interesse, incluindo claro, os sindicatos. 
Os sindicatos são convidados a contribuir, com seu conhecimento e experriencia para a discussão, assim como apresentar propostas para novas políticas.
Os sindicatos também podem apresentar propostas e estas propostas ser submetidas ao voto de toda a população.

............................. Isto, meus amigos, é democracia.

Muito diferente da FdP comuna tuga, cuja estratégia é : quanto pior, melhor!

Sem comentários: