quinta-feira, 10 de julho de 2014

Depois de Marselha, Malmö torna-se a segunda cidade europeia maioritariamente islâmica


E é apenas a segunda de muitas cidades europeias cuja demografia será radicalmente alterada, talvez até irreversivelmente. O gráfico em baixo mostra a evolução, ou melhor, a involução da estrutura populacional de Malmö entre 2002 e 2013:


Legenda: Utländsk bakgrund = origem estrangeira; Svensk bakgrund = origem sueca; Utrikesfödd eller född i Sverige med minst en förälder född utomlands = Nascido no estrangeiro ou nascido na Suécia tendo pelo menos um dos pais nascido no estranegiro; Född i Sverige med tvä svenskfödda föräldrar = Nascido na Suécia com os dois pais nascidos na Suécia.
Comentário do blogueiro: lembrem-se, caros leitores e leitoras, os imigracionaistas europeus juraram a pés juntos que isto nunca aconteceria, que os níveis de natalidade dos muçulmanos eram comparáveis aos dos europeus, e que falar em substituição demográfica era parnóia, xenofobia, racismo, etc. Mas cá está a realidade nua e crua, prevista há décadas pelos nacionalistas: as etnias que têm mais filhos acabam por ultrapassar as restantes em apenas algumas décadas, mesmo partindo em franca desvantagem.
Ainda não é tarde demais, ainda é possível inverter esta tragédia e salvar os povos europeus da extinção anunciada. Mas está a ficar cada vez mais difícil. E, se ainda queremos ir a tempo, é absolutamente necessário que os europeus abracem o Nacionalismo, porque só o Nacionalismo tem como prioridade inverter os fluxos migratórios.

Sem comentários: