quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Legislativas: E é assim

Helena Matos

O PSD ganhou um líder, estatuto muito diverso do de presidente ou secretário-geral. O PSD é um partido que se alimenta do imaginário em torno dos líderes. Teve Sá Carneiro. Veio em seguida Cavaco. Agora tem Passos Coelho. Pelo meios sucederam-se nomes. Mas foram isso: nomes. Um nome como o próprio Passos podia ter sido caso não tivesse acontecido a crise de 2013 e Passos ter conseguido aguentar o Governo até ao fim. Nos próximos anos Passos vai alimentar a narrativa laranja tal como sucedeu com a “obra de Cavaco” e a “personalidade de Sá Carneiro”. Mas para o interior do PSD esta vitória de Passos representa também a derrota daqueles sociais-democratas que, dentro do PSD, acharam em 2011 que Passos ia ali fazer uma espécie de terapia ocupacional diante da troika, para no momento oportuno ser devidamente arredado e dar lugar aos barões, aos históricos, aos nomes e aos líderes que “agora já não há”. O ódio que estes auto-designados notáveis laranjas votam a Passos é muito superior ao que os separa do PS ou, no caso de Pacheco Pereira, de qualquer outra força política. Este grupo para lá de derrotado ficou fortemente descredibilizado pela forma como confundiu o ódio e o ressentimento com o fazer oposição.

Catarina Martins lidera neste momento a esquerda portuguesa. Resta saber se aquele monólogo que lhe deu a vitória nos debates e nos directos televisivos serve para mais do que essa performance. Mas, seja como for, a actual líder do BE, a par de Passos Coelho, faz parte da nova geração de líderes: do PCP não sabemos quem vai suceder a Jerónimo de Sousa que já está na liderança do PCP há onze anos (Carlos Carvalhas esteve doze). Quanto a Paulo Portas esse é uma das questões que vamos ver debater nos próximos tempos: o CDS vai tornar-se no quê depois desta experiência PAF? E no desenhar desse futuro qual virá a ser o papel de Paulo Portas? Portas levou o CDS do táxi para o Governo mas se o CDS não podia continuar a viver no táxi também não pode continuar a manter-se numa espécie de parceiro inevitável de coligação do PSD. Contudo o fim da maioria absoluta pode não só ter adiado este problema do CDS como ter-lhe dado uma alma nova: o CDS esteve muitas vezes mais próximo do PS do que do PSD. Tornar-se na ponte entre o governo e o PS pode muito bem ser o futuro próximo do CDS.



António Costa levou esta campanha desfasado do país. E acabou igualmente desfasado. A dado momento do seu discurso desta noite era como se estivesse a organizar uma conferência de imprensa num qualquer encontro festivo do PS de província. Depois de ter perdido as eleições por não ter colocado o PS ao centro, Costa tem duas hipóteses: ou negoceia com Passos e Portas ou coloca o PS a reboque do BE. Mas na verdade, talvez Costa já não tenha tempo para nada disso. O homem que tanto calculou o tempo certo para avançar já não vai a tempo de ser candidato a PR, perdeu a possibilidade de ser, por agora, primeiro-ministro e já não pode ser presidente da CML. Resta-lhe (por quanto tempo?) um papel difícil: o de se afirmar pela negociação. Por ironia, Costa que gosta de se apresentar como um negociador vai ter na negociação, agora a sério, a sua real prova de fogo.

Por fim, e como de costume, o PCP ganha sempre as eleições. Já os comentadores que se enganaram em todas as suas previsões ao longo destes quatro anos continuam cheios de certezas.

*Helena Matos é jornalista e colunista do Observador

Sem comentários: