quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Varoufakis criticado por enriquecer a fazer discursos

A24: Ora aqui está a esquerda hipócrita em todo o seu esplendor, aquela que vota à esquerda mas dorme à direita, a esquerda pseudo-moralista, subversiva, manhosa, nociva, elitista e indigente, que usa e abusa dos pobres e os desfavorecidos para proveito próprio. Mas mim nunca me enganaram, até porque sei que o caviar nunca foi barato.

Yannis Varoufakis cobra 60 mil dólares (54 351 euros) para fazer um discurso fora de Europa. A informação surge na “Proto Thema”, uma publicação semanal de Atenas que conseguiu ter acesso a um email da agência que representa o ex-ministro das Finanças grego para efeitos de aparições públicas.


O London Speaker Bureau, organização que trabalha com um largo número de figuras públicas, informa eventuais interessados que Varoufakis tem uma tabela que varia conforme o lugar onde fala. Na Europa, ele cobra cinco mil dólares (4 520 euros) - ou apenas 1 500 (1 356 euros), se for numa universidade.

A “Proto Thema” comenta que o homem responsável por conduzir a Grécia à catástrofe ao bloquear as negociações com os credores está ele próprio a enriquecer rapidamente. Mas as tarifas de Varoufakis dificilmente podem considerar-se elevadas para uma personalidade ao seu nível. E mesmo as exigências adicionais - “viagem em business class, alojamento, transfers, refeições e outras” - correspondem a um padrão habitual.

O Speaker Bureau recusou confirmar os preços apresentados, mas notou que o ex-ministro é muito procurado neste momento, e as tabelas levam em conta a distância, o tempo de viagem e o tipo de evento.
Na conferência que deu este mês na Universidade de Coimbra, Varoufakis considerou que o Estado português se encontra tão falido como o grego, e disse que só o presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, salvou o nosso país da bancarrota. Entretanto, também aconselhou o Reino Unido a ficar na UE (“a retirada para o Estado-Nação já não é uma opção”) e está empenhado em criar um movimento pan-europeu para mudar a Europa.

Sem comentários: