quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Marcelo não ter feito tropa interessa?

Ferreira Fernandes 

Todas as presidenciais, mesmo (ou sobretudo?) as sem história, como a atual, querem ter o seu momento Marinha Grande. Vocês sabem, a agressão que, atingindo Mário Soares, o levou à eleição em 1986... O turning point, em português, o momento de viragem. Em Economia, é aquele momento de 2008 que lançou a crise mundial, num romance, é o clímax da estrutura narrativa, no ballet é um movimento. Há um filme com esse título, The Turning Point, de 1977, que explica o que pode fazer às nossas vidas. Emma (Anne Bancroft) e Deedee (Shirley MacLaine) eram amigas e, em jovens, amantes de ballet; seguiram rumos diferentes, Emma tornou-se vedeta dos palcos, Deedee casou-se, abandonou o ballet profissional e foi feliz; já maduras, Emma e Deedee odeiam-se por invejarem a decisão da outra...


Na nossa pálida campanha eleitoral, a acusação do mandatário em Viseu de Sampaio da Nóvoa, general António Ferreira do Amaral, a Marcelo, será um turning point? O general questionou a vida militar de Marcelo. A 25 de abril de 1974, Marcelo tinha 25 anos, já acabara o curso em 1971 mas não fez aquilo a que a maioria dos portugueses foi obrigado, ir para as colónias. Há uma contradição aqui? Talvez, até porque a decisão não foi por opção política - muitos jovens seus contemporâneos que decidiram não fazer a guerra contra a qual estavam, foram obrigados a desertar e abandonar o país - e pode configurar uma situação de favor, pois o seu pai, Baltazar Rebelo de Sousa, foi o último ministro do Ultramar.

Pode essa suspeita ter consequência sobre o resultado eleitoral? É pouco provável e nem tanto pelas quatro décadas que já lá vão. Em 1981, publiquei uma pesquisa num semanário de Lisboa (o efémero O Ponto), onde revelava que o governo de então, o VII Constitucional, tinha, entre todos os seus ministros, um só que fizera tropa num dos teatros da guerra colonial, o ministro da Saúde, Carlos Macedo, em Moçambique. Apesar da maior parte dos ministros ter a idade com que, a maioria dos seus contemporâneos, ia para Angola, Moçambique ou Guiné. O próprio primeiro-ministro, Pinto Balsemão, o começo da guerra colonial passou-o em Lisboa, como oficial às ordens do secretário de Estado da Aeronáutica, Kaúlza de Arriaga. Pelos visto, o governo seguinte, o VIII, ainda de Balsemão, a tradição manteve-se e o ministro dos Assuntos Parlamentares, Marcelo Rebelo de Sousa, também teve a sua vida militar facilitada.

Como assinalei, então, no artigo, eu não criticava a não ida à guerra colonial - apresentei-me eu próprio como um crítico dela e, por isso, desertor. O que o meu artigo queria era ilustrar a confirmação - também com a guerra colonial - duma constante de Portugal, um país muito marcado pelos que têm e pelos que não têm. De senhoritos e dos outros. A questão principal, agora, é saber se o candidato Marcelo Rebelo de Sousa é, para aquela função a que se propõe, um defensor dos privilégios de que já beneficiou. E a questão imediata é: e parece isso? Isto é, pode a insinuação do general apoiante de Sampaio da Nóvoa ter consequências de viragem? A ver vamos. Entretanto, lembro que aquele The Turning Point tem um recorde: foi na história de Hollywood o filme que teve mais nomeações para um Óscar (11) e não ganhou nenhum. Há viragens que não levam a nada.

Sem comentários: