terça-feira, 26 de abril de 2016

Turco corajoso (muçulmano provavelmente) consegue travar bando de 15 criminosos africanos

A24: Esta vai direitinha para todos aqueles, que tal como eu, constumamos criticar os muçulmanos, seja por motivos válidos ou simplesmente por preconceito. Pois ontem um turco, deu uma grande lição de coragem a todos os portugueses, que confrontados com situação idêntica, rodeados por símios africanos, borrar-se-iam de medo. O vídeo pode ser visto aqui.
O homem defendeu-se de um assalto à sua "kababeria" e dos murros, pontapés e até tiros, vindos da parte dos vândalos africanos com imensa bravura. É a prova de que com turcos /muçulmanos não se brinca. Imagino até o que passa pela cabeça deste homem ao verificar que realmente o terceiro-mundo é a área metropolitana de Lisboa, que com mais de um quarto da sua população importada do estrangeiro, sobretudo de África, é mais terceiro-mundo do que qualquer capital europeia, basta viajar um pouco, apesar dos holofotes da imigração terceiro-mundista nunca focarem o pútrido caso português, pior e mais longo que qualquer outro caso europeu. Uma das razões é porque Portugal é um país pequeno e periférico, logo não vende notícias com relevância na Europa.  
O herói curdo diz que "não pode fechar o establecimento pois só o abriu há um mês e tem a mulher e os filhos para trazer da Turquia." e sobre este caso gostaria de concluir algumas coisas: 
Primeiro: Depois da revolta que causa ver estas imagens, é quase certo admitir que entre africanos e muçulmanos, especialmente os que vivem em Portugal que são pacíficos e que pouco se dá por eles (quem cresceu e vive em Lisboa como eu sabe disso), é preferivel estes segundos aos primeiros, pois não conheço casos de assaltos e crimes cometidos por muçulmanos. Depois, a maior parte dos muçulmanos em Portugal são pequenos empresários como este turco, logo não sugam recursos à nossa parca Segurança Social, ao contrário dos africanos que não são regra geral empreendedores e muitos vivem do RSI durante décadas, e depois, porque após 4 décadas de proliferação da comunidade africana em Portugal, o único incremento que ofereceram ao país foi no desporto e no aumento da mestiçagem, descaracterizando o tecido humano e social do país; enfraquecendo-o naturalmente; e os efeitos corrosivos dessa presença são ainda mais vastos do que podemos imaginar, pois ao tornarem-se cada vez mais numerosos, aumentam ao mesmo tempo o nível de "tolerância" que se deve ter para com toda e qualquer "minoria", porte-se ela bem ou mal e o corrosivo politicamente correcto, que acobarda os povos nativos. Decerto que na Turquia, aqueles africanos já não estavam ali para contar a história. Talvez com mais turcos e menos africanos em Portugal, voltaria a haver mais respeito e mais homens com eles no sítio, só no caso de alguém inventar racismo nestas observações. Não consigo ver outros incrementos e estatísticas sobre o PIB que geram os africanos em Portugal, não existem dados porque... não é politicamente correcto. 
Segundo: Não deixou de ser curioso também o facto de ter ocorrido na manhã do 25 de Abril, o tal dia da liberdade. E a polícia onde andava? Provavelmente a multar condutores em operações Stop, por que isso é que dá dinheiro. As prostitutas de farda azul sabem bem onde andar para sacar os honestos. O cidadão que se defenda por si próprio. 
Terceiro: E os jornaleiros continuam a insistir chamar a estes criminosos de "jovens" e "homens"-: Tudo conta para não chamar os bois pelos nomes. 
Quarto: E a Conceição Lino? #E se fosse consigo? E por que não perguntou #"E por que você não intreviu?" 

8 comentários:

Afonso de Portugal disse...

Mas afinal o homem é turco ou é curdo? Na notícia do Observador que linkaste dizem que ele é turco, mas na SIC Notícias disseram que ele era curdo!

CENSURADO AGAIN disse...

AFONSO CURDO É ETNOS TURQUIA ESTADO DEVE SER CURDO COM PAPEL TURCO

João José Horta Nobre disse...

Possivelmente deve ser um curdo nascido na Turquia, é o mais provável.

Vi as imagens do homem a resistir e não pude deixar de pensar numa coisa: Será que se fosse português ele resistiria assim???

Os curdos vendem cara a pele, basta ver como são praticamente os únicos no Médio Oriente que resistem ao Estado Islâmico e aos turcos. É por excelência um povo guerreiro.

Aqueles "jovens" pensavam que se metiam com o Curdo e que ele se acobardava como acontece com muitos portugueses, mas o Curdo mostrou-lhes como é que é de facalhão na mão, carago!

Honra seja feita ao curdo, aqueles "jovens escurinhos" vão provavelmente pensar duas vezes antes de se voltarem a meter seja com quem for.

A-24 disse...

Afonso, o homem é turco mas de etnia curda. São coisas diferentes. Os curdos são o povo mais numeroso do mundo sem estado, mais até que os tibetanos. São cerca de 15 milhões deles na Turquia mais alguns milhões na Síria, Iraque e Irão, no total, cerca de 30 milhões, a maioria muçulmanos sunni. O Curdistão ainda não é um país, mas se tudo correr bem na Síia, terão direito ao seu país. São um povo bravo por natureza e resistem a qualquer ataque turco, e veja que eles, os turcos, não são nada mansos.

A-24 disse...

Censurado, você tem algumas deficiências de vocabulário, mas consegui perceber o que queria dizer. E sim, é verdade.

A-24 disse...

João José, isso mesmo, porque a Turquia é composta pela etnia turca (antigos otómanos) e os curdos. A questão dos curdos fazerem parte do estado turco tem haver com o fim desse mesmo império e pela desastrosa politica colonial franco-britanica no médio oriente que misturou cebolas com tomates e nem hoje esses povos estão em paz, exactamente por essa razão.

Exactamente, eu só ao final desta tarde vi as imagens e topei logo que o homem não era português, tal foi a bravura dele. Os portugueses são bons de lingua mas depois acobardam-se na hora H e é nesse sentido que vai o meu comentário. Mais turcos/curdos em Portugal e menos africanos criminosos e este país iria para a frente, pelo menos haveria mais respeito por quemm trabalha e não me admira que se este caso for a tribunal o curdo ainda tenha de pagar uma indemnização a esses criminosos.

J. Machado disse...

Excelente análise. Por acaso nunca tinha pensado nos problemas dos imigrantes africanos ou afro-portugueses, como queiram chama-los nessa perspectiva. Realmente está a ser cozinhado um barril de pólvora. No dia em que eles sejam a maioria na regiao de Lisboa,s erá um Deus nos acuda, exactamente porque os portugueses nessa altura já estarão totalmente amestrados pelo marxismo.
Vou divulgar isto se me permitir.

João José Horta Nobre disse...

«Mais turcos/curdos em Portugal e menos africanos criminosos e este país iria para a frente, pelo menos haveria mais respeito por quemm trabalha e não me admira que se este caso for a tribunal o curdo ainda tenha de pagar uma indemnização a esses criminosos.»

Eu trocaria de bom grado os africanos por curdos. Disso não tenha a mínima dúvida, mas tinham de ser curdos ateus, cristãos, ou de qualquer outra denominação religiosa que não fosse a islâmica, porque para muçulmanos já chega os que já cá estão...