quinta-feira, 16 de junho de 2016

Lobos Solitários e Aves Raras

Via Delito de Opinião 


À primeira vista, o terrorismo dos lobos solitários parece ser um inimigo formidável. Se o criminoso não pertence a qualquer organização, se age única e exclusivamente por conta própria, então é praticamente impossível às Forças e Serviços de Segurança identificar os sinais de alerta que permitem antecipar e impedir atentados.

Este quadro faz os encantos dos profissionais do “especialismo em terrorismo” que povoam o espaço mediático (e algumas universidades). Para estes “analistas”, cuja condição de “especialista” vive da existência e, sobretudo, da complexidade da ameaça, oslobos solitários oferecem uma passagem com destino à ribalta. Espontâneos nas suas motivações e na decisão de actuar, os lobos solitários são uma ameaça invisível até ao momento em que é demasiado tarde e, por isso, garantem ao “especialismo” horas nosplateaux de televisão, umas quantas páginas nos jornais e, com sorte, um convite para integrar um grupo de trabalho sob a égide de Sua Excelência o Ministro de-qualquer-coisa. Como não podia deixar de ser, este terrorismo voluntarista é para os “analistas” uma prova da omnipresença e, consequentemente, do êxito jihadista.

A realidade, como quase sempre, é mais ponderada e faz o favor de não complicar muito as coisas. Nunca se refere que a matilha de lobos solitários conta com um importante contingente de perturbações mentais e de inépcia. Aliás, parece haver por parte destes indivíduos uma obsessão pelo absurdo que, não fosse a barbárie dos actos cometidos, seria motivo de escárnio.

Veja-se, por exemplo, o caso do jovem Mohammad Taheri-Azar que, em nome de Alá, decidiu usar o carro para atropelar o maior número possível de colegas na Universidade de North Carolina. Em carta escrita na prisão, Taheri-Azar admitiu que preferia ter-se alistado nas fileiras de mujahideen a combater no Afeganistão e no Iraque, mas foi dissuadido pelas dificuldades em obter os vistos necessários. Admitiu igualmente que preferia ter usado uma arma de fogo na universidade, mas foi demovido pelo calvário burocrático necessário à aquisição de uma Glock. Como ironizou Charles Kurzman, Taheri-Azar terá sido o primeiro terrorista na História a ser dissuadido por políticas de controlo de armamento. Numa palavra, vaudeville.

O autor do atentado em Orlando parece encaixar no perfil de demência. Disse à polícia ser membro do Estado Islâmico, mas também de outras organizações terroristas, como o Hizbullah ou o al-Qaeda que, por mero acaso, são inimigos declarados do ISIS. Afirmou odiar homossexuais, embora fosse frequentador do bar gay onde levou a cabo a matança. Segundo testemunhas, Omar Mateen era um habitué do bar em apreço, onde procurava companhia masculina, para além de ser utilizador de chats dedicados a encontros homossexuais. Em suma, se não fosse pela carnificina produzida, o autor dos atentados de Orlando não passaria de um imbecil com perturbações evidentes.

Aliás, verifica-se um fenómeno curioso na sequência deste tipo de atentados: se há um módico de competência – na óptica do terrorista, claro está – perfilam-se de imediato uma miríade de organizações a reivindicar o atentado; se, pelo contrário, a acção é trôpega, ninguém vem a terreiro. Com base na informação disponível, Barack Obama tem razão.

Se os lobos solitários nada têm que ver com organizações jihadistas e dado que a maioria demonstra um desconhecimento confrangedor sobre a causa pela qual afirmam lutar, é evidente que qualquer ligação entre isto e Islão é abusiva. A ameaça terrorista é real e deve merecer a maior atenção. Por isso mesmo é fundamental que saibamos indentificar os alvos.

1 comentário:

Bilder disse...

Telefonema do terrorista para o 112 lá do sítio Segundo o politicamente correcto, deve ter sido assim: - 911, qual a emergência? - Daqui Mateem. Sou do ISIS e estou no Pulse a chacinar em nome do Islão! - Está a fazer confusão. O Islão é uma religião de paz. Essa ideia de Islão é a caricatura racista que os nossos media transmitem. Se calhar está aborrecido porque lhe serviram um daiquiri aguado? - Não bebo. Vim cá só para matar maricas, como Alá manda. - Isso cheira a homofobia, tão presente na sociedade ocidental. O patriarcado, que é heteronormativo, oprime a comunidade LGBT. O Mateem está em negação e, para reprimir a sua vontade de penetrar outros homens com o pénis, fá-lo simbolicamente, com balas, não é? - Não! O profeta diz que os larilas são uma abominação! - Já agora, como é que teve acesso a armas? Maldito NRA! ----http://www.cmjornal.xl.pt/opiniao/colunistas/jose_diogo_quintela/detalhe/cheira_mal_cheira_a_turista.html