quarta-feira, 22 de junho de 2016

Políticos traidores suecos pronunciam-se

A24: Por favor ler as declarações dos políticos traidores da Suécia

O influxo de refugiados tinha forçado muitos países europeus a contabilizar os custos da migração e seus efeitos colaterais. Mas isso não é um assunto de debate para os suecos, porque a migração é considerada como lucrativa por muitos políticos e pela grande mídia.


O antigo primeiro ministro Fredrik Reinfeldt que é, contrariamente aos seus colegas do Partido Moderado, um dos maiores defensores da continuação da migração, afirma que não se pode negar que a imigração é economicamente lucrativa e é benéfica para a sociedade. No entanto, os suecos terão que trabalhar até alcançarem uma idade madura de 75 anos, ou mesmo mais, para que a economia sueca não se afunde.

“O crescimento da população sueca depende da imigração. Isso ajuda à criação de uma economia mais forte. E creio que posso dizer isso, ainda que nem todos na Europa estejam de acordo”, disse o antigo primeiro-ministro no fórum organizado pelo grupo de pesquisas CEPS, informa o jornal sueco Svenska Dagbladet.
De acordo com o jornal sueco Dagens Industri, Reinfeldt tinha também sublinhado que a idade de aposentadoria na Suécia deve ser aumentada de 65 (a idade atual) para 75 anos. Entretanto, ele acrescentou que tal aumento deve ser voluntário e não obrigatório.
Segundo ele, a razão para os suecos terem de trabalhar durante dez anos adicionais é para assegurar o financiamento do sistema de previdência social. O antigo primeiro-ministro afirmou que isso não deve representar quaisquer dificuldades significativas porque a esperança da vida está aumentando em toda a Europa.
Ainda antes, Reinfeldt se tinha tornado famoso pelo seu discurso inflamado de 2014, quando ele chamou seus colegas para que “abram seus corações” à migração em massa.
“O que significa a palavra 'suficiente'? Será que a Suécia está cheia? Será que a região nórdica está cheia? Será que existem muitos de nós? Somos 25 milhões os que vivem na região. Frequentemente observo a natureza da Suécia e aconselho os outros a que façam isso. São grandes campos e florestas. É mais espaço do que imaginam. Aqueles que pensam que o país está cheio devem mostrar onde exatamente é que ele está cheio”, afirmou ele.
No ano passado a Suécia tinha recebido mais de 160 mil requerentes de asilo e ainda se debate com a questão de concessão de alojamento e empregos aos recém-chegados.

Sem comentários: