segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Quadro final das medalhas dos JO Rio 2016

A24: Uma das várias conclusões que podemos chegar destes e de outros jogos olímpicos, é que as grandes nações desportivas podem ser medidas por apenas um factor. Os desportos colectivos. O top 10 é composto por países desenvolvidos (mesmo contando com a China, que é uma potência desportiva) e onde os atletas vencem individualmente como colectivamente. Pelo contrário, verificamos nações do terceiro-mundo que só conseguem vencer nos desportos individuais, uma forma diferente de afirmação. Exemplos do Quénia, Cuba e da Coreia do Norte neste top, a juntar à Jamaica, são disso exemplo.
Para países com baixos recursos, pouca ou nenhuma cultura desportiva, sai barato investir num atleta que apenas tem de ter um espaço e uns ténis para correr, como é o caso dos jamaicanos e dos quenianos. Também é mais económico preparar um lutador de de wrestling ou outra qualquer luta onde a Coreia do Norte ou Cuba ganham medalhas com regularidade. do que ter uma equipa competitiva de pólo aquático, natação sincronizada ou canoagem. Isso é para as nações do primeiro mundo. A título de exemplo o Azerbeijão conseguiu 16 das suas 18 medalhas nas lutas, tal como o Cazaquistão conseguiu 13 das suas 17 medalhas nas lutas (boxe e wrestling).  Assim se vêem as incríveis discrepâncias entre o investimento olímpico dos vários países e por onde é mais "fácil" conquistar uma medalha e ver o seu hino a tocar.



Sem comentários: