quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Em quem você confiaria mais, na «cosa nostra» ou na «nostra» coisa?




«Cosa Nostra»: associação criada na Sicília, no século XIX, expandida nos EUA a partir dos primórdios do século XX, conhecida como «la honorata societa», com o fim de garantir a segurança dos cidadãos e a administração da justiça. É «cosa nostra», dos sicilianos.

Algumas das actividades a que se dedica: gestão de casinos, jogo, prostituição, tabaco, álcool, droga (nem todas as famílias), influência política e sindical.
Recursos financeiros: pizzo (contribuição involuntária dos cidadãos sob a sua alçada).
Modelo de gestão: concorrência entre diversas empresas designadas «famílias».
Forma de resolução de conflitos: guerra e assassinatos, por princípio, em escala limitada aos seus membros.
Grau de ingerência na vida privada: limitado aos seus negócios.
Resultados da actividade: superávites anuais.
Consequências de má gestão: prisão ou morte dos infractores.


«Nostra» Coisa: também conhecida por «estado» moderno, foi criado a seguir ao Renascimento com o fim de garantir a segurança dos cidadãos e a administração da justiça. Dizem que é de todos, mas sabemos todos que é só de alguns.

Algumas das actividades a que se dedica: licenciamento de casinos, jogo, tabaco, álcool, prostituição e droga (nem todos os estados), influência política e sindical (actividade principal).
Recursos financeiros: impostos e taxas (contribuições involuntárias dos cidadãos sob a sua alçada).
Modelo de gestão: concorrência entre diversas empresas designadas «estados».
Forma de resolução de conflitos: guerra e assassinatos de largo espectro.
Grau de ingerência na vida privada: ilimitado; todos os negócios são (também) seus.
Resultados da actividade: défices anuais.
Consequência de má gestão: uma comenda no 10 de Junho.

Rui A. in Blasfémias 

1 comentário:

Bilder disse...

A "coisa nostra" global Check mate http://www.oneworldofnations.com/2016/09/chessboard-earth-part-1.html