domingo, 11 de setembro de 2016

Há exatos 25 anos presenciei o fim do regime soviético

Via Instituto Ludwig Von Mises Brasil 



Vinte e cinco anos atrás, no dia 22 de agosto de 1991, eu estava no meio de uma eufórica multidão de dezenas de milhares de pessoas aglomeradas em frente ao parlamento russo em Moscou, a capital da União Soviética.
Elas celebravam o fracasso de uma tentativa de golpe de estado político e militar perpetrada por líderes soviéticos pertencentes à linha dura do Partido, os quais ainda queriam manter a ditadura comunista na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas.

Quando os tanques foram enviados para capturar Boris Yeltsin, eles foram persuadidos pelo povo a apontar suas armas para o outro lado e a defender Yeltsin e o Parlamento russo.

O regime soviético havia governado a Rússia e as outras 14 repúblicas da URSS por quase 75 anos, desde a Revolução Bolchevique em novembro de 1917 liderada por Vladimir Lênin e por seu grupo comunista de seguidores marxistas. Durante esses quase três quartos de século, primeiro sob Lênin e especialmente sob Josef Stalin e seus sucessores, historiadores estimam que mais de 64 milhões de pessoas — inocentes, homens desarmados, mulheres e crianças — morreram nas mãos do regime soviético, e tudo em nome da construção de um "belo e brilhante futuro" para o socialismo.

Milhões de mortos

Calcula-se que apenas a coletivização forçada da terra implantada por Stalin, no início dos anos 1930, tenha custado as vidas de algo entre 9 e 12 milhões de camponeses russos e ucranianos, os quais morreram ou quanto tentavan resistir ao confisco de suas propriedades agrícolas ou após terem sido enviados (com suas mulheres e filhos) a fazendas coletivas estatais para fazer trabalhos forçados [veja um relato, forte, do que foi feito com os ucranianos aqui].

Alguns foram simplesmente assassinados a tiros; outros foram torturados até a morte; já o restante foi enviado para campos de concentração e de trabalho forçado na Sibéria ou na Ásia central Soviética, os quais eram chamados de GULAG. Milhões foram lentamente esfaimados até a morte por causa de uma inanição criada pelo governo com o intuito de forçar as pessoas a se submeterem às ordens expedidas pelo comitê de planejamento central de Stalin e seus partidários.

Outros milhões foram capturados, arrebanhados e enviados para campos de trabalho forçado nas localidades mais isoladas da União Soviética como parte do plano central de tentar desenvolver à força os setores industrial e mineral dessas localidades.


Nas décadas de 1930 e 1940, o plano central de Stalin incluía cotas estipulando o número de "inimigos do povo" que deveria ser capturado e executado em cada cidade e vilarejo da União Soviética, para servirem de exemplo e arrefecer eventuais impulsos de resistência. Adicionalmente, havia cotas também estipulando quantos deveriam ser capturados e enviados para os GULAGs como substitutos das pessoas que já haviam morrido de fome e frio enquanto trabalhavam forçadamente nas vastas terras desoladas da Sibéria, do norte da Rússia européia, e da Ásia Central.

Ao longo das décadas de 1960, 70 e 80, o regime soviético foi sendo cada vez mais percebido como notoriamente corrupto, estagnado e, finalmente, decrépito, sob uma sucessão de caquéticos líderes do Partido Comunista que tinham como único propósito manter o poder e seus privilégios especiais.

Em 1986, um homem muito mais jovial, Mikhail Gorbachev, que havia ascendido por conta própria na hierarquia do Partido, foi nomeado ao cargo máximo de Secretário Geral do Partido Comunista da URSS.

A tentativa de Gorbachev de salvar o socialismo 



Gorbachev acreditava que a União Soviética havia cometido vários erros no passado; mas ele não era um oponente do socialismo ou de seus fundamentos marxistas-leninistas. Ele queria apenas um novo "socialismo com uma face mais humana". Seu objetivo era uma ideologia comunista "mais bondosa e mais gentil", por assim dizer. Ele genuinamente acreditava que a União Soviética poderia ser salva e, com ela, uma alternativa coletivista mais humana ao capitalismo ocidental.

Para alcançar esse objetivo, Gorbachev introduziu duas agendas reformistas.

Primeiro, a perestroika, uma série de mudanças economistas com o intuito de admitir os erros do pesado planejamento central até então em voga. Os administradores das empresas estatais deveriam ser mais cobrados e teriam de prestar contas; pequenos empreendimentos privados passaram a ser permitidos; empresas soviéticas poderiam participar de empreendimentos conjuntos com empresas ocidentais. Flexibilidade e adaptação criariam uma nova e melhor economia socialista.

Segundo, a glasnost, a "abertura" política, sob a qual as maluquices políticas do passado seriam reconhecidas e as até então "páginas em branco" da história soviética — especialmente "os crimes de Stalin" — seriam preenchidas. Uma maior honestidade histórica e política, diziam eles, restauraria a moribunda ideologia soviética e renovaria o apoio entusiástico do povo soviético pelo agora reformado e redesenhado brilhante futuro socialista.

No entanto, com o tempo, os membros mais linha-dura e "conservadores" da liderança soviética passaram a considerar tais reformas como sendo a abertura de uma Caixa de Pandora, a qual permitira que forças incontroláveis solapassem o sistema soviético. Eles já haviam visto isso acontecer nos satélites do Império Soviético no Leste Europeu. [Ver alguns relatos aqui, aqui e aqui].

O início do fim no Leste Europeu

Em 1989, Gorbachev permaneceu inerte enquanto o Muro Berlim, o símbolo do poder imperial soviético no coração da Europa, era derrubado pela população e as "nações cativas" do Leste Europeu — Alemanha Oriental, Polônia, Tchecoslováquia, Hungria, Romênia e Bulgária —, as quais Stalin clamava serem suas e que foram conquistadas pela força militar ao final da Segunda Guerra Mundial, começaram a se libertar do controle comunista e da dominação soviética.

Os membros da linha-dura soviética estavam agora convencidos de que um novo tratado político que Gorbachev pretendia assinar com Boris Yeltsin — presidente da República Socialista Federativa Soviética da Rússia — e Nursultan Nazarbayev — presidente da República Socialista Soviética do Cazaquistão — significaria o fim da própria União Soviética.

As pequenas repúblicas bálticas da Estônia, Letônia e Lituânia já estavam reafirmando a independência nacional que haviam perdido em 1939-1940, como resultado da divisão do Leste Europeu acordada por Stalin e Hitler. Em janeiro de 1991, violentas e homicidas intervenções militares soviéticas na Lituânia (veja um vídeo) e na Letônia não foram capazes de esmagar os crescentes protestos anti-soviéticos naqueles países. Métodos militares também foram empregados, sem sucesso, para tentar manter sob controle as repúblicas soviéticas da Geórgia e do Azerbaijão.

Conspiradores comunistas pelo poderio soviético

No dia 18 de agosto de 1991, os conspiradores da linha-dura tentaram persuadir Gorbachev a cancelar seus planos de fazer acordos políticos com a Federação Russa e com o Cazaquistão Soviético. Ao se recusar, Gorbachev foi mantido à força em sua dacha (as casas de veraneio do alto escalão da burocracia soviética) na Criméia, ao norte do Mar Negro, na qual passava férias.

No início da manhã do dia 19 de agosto, os conspiradores emitiram uma declaração anunciando que estavam tomando o controle do governo soviético. Um plano para capturar, e possivelmente assassinar, Boris Yeltsin havia fracassado. Yeltsin conseguiu enganar os sequestradores ao sair de sua casa nos arredores de Moscou e chegou em segurança ao prédio do Parlamento Russo. Unidades militares leais aos conspiradores da linha-dura cercaram e sitiaram a cidade com tanques em todas as pontes que levavam a Moscou e em todas as grandes vias que davam acesso ao centro de Moscou. Tanques também cercaram o Parlamento Russo.

Mas Yeltsin rapidamente conseguiu aglutinar o povo de Moscou a seu favor, fazendo também com que a população russa em geral defendesse a Rússia contra a tentativa de golpe de estado dos comunistas linha-dura. Pessoas de todo o mundo testemunharam Yeltsin subindo em um tanque do exército em frente ao Parlamento e fazendo um discurso pedindo aos moscovitas que resistissem a qualquer tentativa de retorno aos dias negros do regime comunista.

À época, a mídia ocidental fez muito barulho em relação ao mau planejamento da tentativa de golpe que durou 72 horas, de 19 de agosto a 21 de agosto. A mídia mundial se concentrou no — e zombou o — nervosismo e confusão demonstrados por alguns dos líderes do golpe durante uma conferência de imprensa. Os conspiradores foram ridicularizados por seu comportamento cômico e trapalhão ao perderem a chance de sequestrar Yeltsin e de postergar sua tomada do prédio do Parlamento Russo; ou mesmo por deixarem abertas as linhas telefônicas internacionais e por não terem nem sequer tentado obstruir as transmissões feitas in loco pelas televisões estrangeiras, as quais relatavam para todo o mundo, e ao vivo, os eventos que estavam ocorrendo em toda a União Soviética.

Os perigos de a linha-dura ter vencido

Independentemente do pobre planejamento dos líderes do golpe, o fato é que, se eles fossem bem-sucedidos, as consequências poderiam ser catastróficas. Tenho comigo até hoje uma fotocópia do mandado de prisão que havia sido preparado para ser impingido em toda a região de Moscou e que fora assinado pelo comandante militar, o marechal Kalinin.

O mandado concedia aos militares e ao KGB a autoridade para prender absolutamente qualquer pessoa. O mandado tinha um "preencha a lacuna", no qual o nome da vítima, qualquer vítima, seria escrito na hora. Quase 500.000 desses mandados de prisão já haviam sido expedidos. Em outras palavras, em torno de meio milhão de pessoas poderiam ter sido presas apenas em Moscou.

No dia anterior ao início do golpe, o KGB havia recebido um carregamento de 250.000 pares de algemas. Posteriormente, a imprensa russa noticiou que alguns dos campos de concentração da Sibéria haviam sido reabertos. Se o golpe houvesse sido bem-sucedido, possivelmente de três a quatro milhões de pessoas em toda a União Soviética seriam enviadas novamente aos GULAGs.

Outro documento publicado pela imprensa russa após o fracasso da tentativa de golpe detalhava instruções para as autoridades militares em várias regiões do país. As ordens eram para começar a apertar ainda mais a vigilância sobre o povo nas áreas sob sua jurisdição, vigiando todas as palavras, movimentos e ações de cada indivíduo. Os estrangeiros deveriam ser seguidos e vigiados com ainda mais atenção. E relatórios deveriam ser enviados aos líderes do golpe em Moscou a cada quatro horas.

Com efeito, quando o golpe estava em progresso, o KGB começou uma série de batidas para fechar todos os empreendimentos comerciais moscovitas feitos em parceria com empresas ocidentais, acusando-as de ser um "ninho de espiões", e aprisionando alguns dos participantes russos desses empreendimentos.


Uma calma surreal escondia todo o medo


Durante a tentativa de golpe, Moscou apresentava uma qualidade surreal, a qual percebi enquanto caminhava pelas várias partes do centro da cidade. Nas ruas de toda a cidade, parecia que nada estava acontecendo — exceto pelo enxame de tanques soviéticos estrategicamente posicionados no centro das interseções de avenidas e nas pontes cruzando o rio Moscou. Os taxis passavam pelas avenidas à procura de passageiros; a população parecia manter a rotina, indo para e voltando do trabalho, ou esperando nas longas e rotineiras filas pela ração diária distribuída pelo governo; e os motoristas, como de costume, faziam filas nos postos de gasolina controlados pelo governo. Mesmo estando em um carro alugado e com placas claramente estrangeiras, em momento algum fui parado enquanto dirigia pelo centro de Moscou.

Os únicos sinais perceptíveis naqueles dias extraordinários eram os olhares mais assustados e sombrios do que o habitual nos rostos da população; e o fato de que nos centros de distribuição de comida as pessoas se aglomeravam em volta dos rádios após já terem comprado seus alimentos.


No entanto, a aparência de quase normalidade não era capaz de esconder o fato de que o futuro do país estava por um fio.


Os russos se arriscaram pela liberdade


Durante os três dias daquela semana decisiva, russos de todas as profissões tiveram de se perguntar qual preço eles estavam dispostos a pagar pela liberdade. E milhares concluíram que arriscar a própria vida para impedir um retorno do despotismo comunista era um preço que estavam dispostos a pagar.


Esses milhares apareceram em frente ao Parlamento Russo em resposta ao chamado de Boris Yeltsin. Eles formaram barricadas improvisadas, e se prepararam para oferecer a si próprios como escudos humanos desarmados contra tanques e tropas soviéticas. Minha futura esposa Anna e eu estávamos entre aqueles defensores da liberdade que permaneceram em vigília durante todos aqueles três dias praticamente de frente para os canhões dos tanques soviéticos.


Dentre aqueles milhares, três grupos se destacavam mais por terem escolhido lutar pela liberdade.


Primeiro, os jovens em final de adolescência e início de seus vinte anos, os quais estavam vivendo em um ambiente um pouco mais livre durante os últimos seis anos desde que Gorbachev havia assumido o poder, e que não queriam viver sob o terror e a tirania que seus pais haviam vivenciado no passado. Segundo, os novos empreendedores russos, que temiam que aquela ainda nascente liberdade econômica que lhes havia permitido iniciar pequenos empreendimentos privados fosse esmagada pela volta da linha-dura comunista. E terceiro, os veteranos da guerra soviética no Afeganistão, que haviam sido recrutados à força para servir ao imperialismo soviético e que agora estavam decididos a impedir seu retorno.


A falência do sistema soviético for demonstrada não apenas pela coragem daqueles milhares de indivíduos defendendo o Parlamento Russo, mas também pela não disposição dos militares soviéticos de obedecer às ordens dos líderes do golpe.


coup.h2.jpgÉ verdade que apenas um punhado de unidades militares de fato passou imediatamente para o lado de Yeltsin em Moscou. Mas centenas de babushkas — avós — russas foram para cima dos jovens soldados que manejavam os tanques soviéticos e os confrontaram perguntando: "Vocês vão atirar em suas mães, em seus pais, em sua avó? Nós somos cidadãos do seu próprio povo."

O ato final do golpe veio quando essas unidades militares se recusaram a obedecer às ordens da linha-dura comunista de sitiar e tomar o prédio do Parlamento Russo, o que possivelmente teria custado centenas de milhares de vidas.


Liberdade! Liberdade! Liberdade!


Naquela clara e quente tarde de quinta-feira, 22 de agosto de 1991, a enorme massa de seres humanos que havia se juntado em uma grande praça atrás do Parlamento Russo permaneceu ali ouvindo Boris Yeltsin lhes dizer que aquela área seria agora conhecida como a Praça da Liberdade Russa. A multidão então respondeu em uníssono: Svaboda! Svaboda! Svaboda! — "Liberdade! Liberdade! Liberdade!".


Part-PAR-Par6450232-1-1-0.jpgUma enorme bandeira da Rússia pré-comunista, com suas cores branca, azul e vermelha, cobriu toda a frente do prédio do parlamento. A multidão olhou para cima e viu a bandeira vermelha soviética, com a foice e o martelo amarelos no canto superior esquerdo, sendo baixado no mastro em cima do Parlamento, com as cores da Rússia sendo elevadas pela primeira vez em seu lugar. E de novo as pessoas gritaram: "Liberdade! Liberdade! Liberdade!"


Não muito longe do prédio do Parlamento em Moscou, naquele mesmo dia, uma enorme multidão se aglomerou na Praça Lubyanka, no quartel-general do KGB. Com a ajuda de um grande guindaste, os moscovitas arrancaram e derrubaram a estátua de Felix Dzerzhinsky, o fundador da polícia secreta soviética, que ficava perto da entrada do prédio do KGB. (Veja no vídeo a partir dos 16 segundos de vídeo).


Em um pequeno parque em frente à sede do KGB, em um esquina em que hoje há um pequeno monumento em homenagem às vítimas dos campos de trabalho forçado soviéticos, uma manifestação anti-comunista se formou. Um jovem vestindo um uniforme militar da velha Rússia czarista queimou uma bandeira soviética, sob aplausos e louvores da multidão.



O pesadelo de 75 anos de terror e tirania comunista estava chegando ao fim. O povo da Rússia ansiava por liberdade, e se deleitava com a alegria desse prospecto.


A esperança da liberdade e a realidade pós-comunista
A morte do Partido Comunista e do sistema soviético foi, sem dúvida, o um dos mais monumentais e grandiosos eventos da história. Que o regime tenha se esfacelado com uma relativamente pequena quantidade de sangue derramado durante aquelas decisivas 72 horas da tentativa de golpe perpetrada pela linha-dura comunista é algo relativamente milagroso.

Os últimos vinte e cinco anos não foram do jeito que os vários defensores da liberdade na Rússia haviam esperado. Com efeito, a Rússia pós-comunista incorreu em várias trapalhadas econômicas, políticas e geopolíticas.

Primeiro, não reformaram sua moeda, a qual vivenciou uma nociva hiperinflação entre 1992 e 1994, culminando em uma severa crise financeira em 1998, a qual abriu caminho para a volta de figuras políticas autoritárias em 1999, ano em que Vladimir Putin chegou ao poder.

Segundo, em vez de desestatizar da maneira correta, embarcaram em um programa de "privatização" contraditório, mal organizado e inerentemente corrupto, o qual consistia apenas em transferir empresas estatais para as mãos de magnatas russos que haviam enriquecido durante o comunismo exatamente em decorrência de suas conexões com o governo e o KGB (veja os relatos aqui).

Terceiro, o país se envolveu em duas sangrentas e destrutivas guerras ao tentar evitar a separação da Chechênia.

Quarto, a corrupção em todos os níveis do governo é endêmica, difusa e mundialmente conhecida.

Quinto, os mercados são controlados pelo estado e manipulados por políticos, assim como as decisões de investimento, o comércio e a mídia.

Sexto, assassinatos e aprisionamento de oponentes políticos do regime são corriqueiros;

Sétimo, há uma significativa nostalgia entre várias pessoas pelo retorno do país ao status de "grande poder militar mundial" e pela volta da "mão firme" da era stalinista.
Oitavo, as recentes aventuras militares de Putin na Criméia, na Ucrânia e na Síria.

Não obstante, para aqueles — dentre os quais me incluo — que tiveram a sorte de estar em Moscou em agosto de 1991, permanece em nossas mentes como um momento histórico inesquecível o momento em que o primeiro e mais longevo dentre os estados totalitários do século XX caiu de joelhos.


A União Soviética desapareceria em definitivo do mapa político mundial no dia 24 de dezembro de 1991, com a fragmentação e a independência formal das 15 repúblicas soviéticas que formavam a União Das repúblicas Socialistas Soviéticas.

O pesadelo soviético do "socialismo na prática" havia terminado.

2 comentários:

Bilder disse...

https://liceu-aristotelico.blogspot.pt/2016/05/repudio-do-comunismo.html

Bilder disse...

a nova versão "humanista" do totalitarismo aqui http://governofederalistamundial.blogspot.pt/2015/12/introducao-ao-livro-unicracia-o-desafio.html