sábado, 1 de outubro de 2016

Afinal quem é que Putin quer ver na Casa Branca?

Da Rússia 
Donald Trump parece ser aquele que mais agrada ao Presidente russo, mas a figura de Trump é tão odiosa, que o Kremlin tenta não se comprometer na disputa e prefere esperar para ver. 


As declarações do candidato republicano não podiam ser melhores para Vladimir Putin. Donald Trump está disposto a aceitar a violação de fronteiras pela Rússia na Europa ao afirmar que: "O povo da Crimeia, pelo que eu ouvi, preferiu ficar com a Rússia do que onde eles estavam [Ucrânia]".

O candidato promete também que “espero ter relações muito, muito boas com Putin, com a Rússia”, sublinhando que Vladimir Putin “é um melhor líder para a Rússia do que Barack Obama para os Estados Unidos”.

Do ponto de vista da tradição das relações soviético-russas com os Estados Unidos, é verdade que os dirigentes soviéticos/russos sempre se deram melhor com os presidentes americanos saídos do Partido Republicano do que do Democrata. Uma das razões do maior distanciamento em relação a este último tem a ver com o respeito dos direitos humanos na URSS/Rússia. Os democratas norte-americanos sempre prestaram maior atenção a esse problema nas relações com a URSS e a Rússia, criando sérias fricções diplomáticas com Moscovo.
Porém, não se pode esquecer que, quando o candidato republicano Ronald Reagan foi eleito Presidente dos Estados Unidos em 1981, praticamente ninguém imaginava as consequências da sua política externa, nomeadamente o fim da União Soviética dez anos depois.
É de sublinhar que, então, eram muitos aqueles que na URSS e no mundo olharam para a eleição de Reagan como para uma espécie de farsa, pois ele não passava de “um actor de segunda categoria”. Porém rodeou-se de uma equipa que conseguiu destruir o seu principal adversário na cena internacional.
Alguns analistas próximos do Kremlin gostariam de ver Donald Trump na Casa Branca, considerando que a eleição de um político tão extravagante para Presidente da maior superpotência mundial poderá não só prejudicar a imagem dos Estados Unidos no mundo, como realçar as “qualidades políticas e diplomáticas” de Vladimir Putin.
Oficialmente, não obstante os elogios de Trump, o Kremlin tenta não se comprometer com nenhum dos dois candidatos. Dmitri Peskov, porta-voz do Kremlin, declara: “Claro que nós nos orientamos principalmente não pelas declarações de candidatos, mas pelas declarações do Presidente, e, por isso, será importante o que irá dizer o Presidente dos Estados Unidos que for eleito”.


Porém, o Kremlin espera também que Trump possa vir a cumprir as ameaças de enfraquecer a presença norte-americana na Europa e o seu papel na NATO. Afinal foi ele que disse: “A Ucrânia é um país que influencia muito menos em nós do que nos outros países da NATO, mas porque é que temos de suportar todo o fardo… porque é que a Alemanha não trabalha com a NATO na questão da Ucrânia? Porque é que os países que são vizinhos da Ucrânia nada fazem? Porque é que devemos desempenhar sempre o papel principal, tanto mais agora, quando é possível uma terceira guerra mundial com a Rússia?”

Sem comentários: