segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Portugal, campeão dos divórcios e da mais baixa natalidade da Europa ao mesmo tempo

A24: Progressismo. As políticas de esquerda a darem frutos.

Público 

Portugal é o campeão dos divórcios na Europa. Por cada 100 casamentos, há 70 divórcios, segundo o Retrato de Portugal na Europa, publicado nesta quinta-feira, Dia Europeu da Estatística, pela Pordata, a base de dados desenvolvida pela Fundação Francisco Manuel dos Santos.
Na comparação com os restantes países da Europa, este é dos únicos indicadores em que Portugal surge no topo da lista, à frente de países como a Dinamarca. Mas estes números não querem dizer que 70 em cada 100 casamentos acabam em divórcio, como esclarece a directora do Pordata, Maria João Valente Rosa. “Aqui conjugam-se casamentos do passado que resultam em divórcio no presente e casamentos que se fazem no presente, mas cada vez menos”, explica.
A demógrafa considera, aliás, expectável que os divórcios venham a diminuir nos próximos anos, porque também os casamentos têm vindo a diminuir. Aliás, em 2012, o rácio de divórcios por cada 100 casamentos era ainda superior: 73.7.


Este alinhamento de Portugal com países do Norte da Europa no que à conjugalidade diz respeito resulta das mudanças bruscas que a sociedade portuguesa viveu nas últimas décadas. “Nos últimos 30 anos, em Portugal, fizemos um trajecto que noutros países levou muito mais tempo a fazer-se e algumas instituições, como o casamento, ressentiram-se dessa rápida evolução.”
Temos assim que o casamento deixou de ser para toda a vida. E, mais do que isso, “deixou de ser uma forma de institucionalização da relação perante a sociedade e deixou de marcar o início de um projecto de parentalidade”, enfatiza Valente Rosa. Há outros números que ajudam a perceber que assim é. Em 2014, 49,3% dos bebés nasceram fora do casamento, numa percentagem que volta a atirar Portugal para lugares cimeiros no rankingeuropeu.
Os casamentos católicos sofreram uma queda abrupta. Em 2013, houve 19.920 casamentos civis e 11.576 católicos. Se recuarmos a 2000, os católicos eram 41.331 e os civis 22.421. Os primeiros dobravam os segundos, portanto. “Os portugueses casam-se menos e deixaram de ver no casamento um projecto para a vida. Isto não significa, claro, que as pessoas tenham deixado de coabitar”, sintetiza Valente Rosa.
Quanto ao resto, é o que se sabe. Os portugueses têm cada vez menos bebés e apresentam uma média de 1,23 filhos por mulher em idade fértil, contra os 1,58 da média europeia. Aliás, ao contrário do que sucede com os divórcios, Portugal surge aqui no último lugar da lista. As consequências são as de sempre: vivemos numa sociedade envelhecida, com 138,6 idosos por cada 100 jovens (119,8, na Europa) e com os idosos com 65 ou mais anos de idade a perfazerem 20,1% da população, contra os 18,7 da média europeia.

Sem comentários: