sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Recuperando Ana de Amsterdam e os direitos das mulheres

A24:  Uma lição de humanidade a todos os activistas de esquerda que só olham para o seu umbigo. 

Ana Cássia Rebelo



Theo van Gogh, homem, denunciou o que se passa com as mulheres islâmicas na Europa. Fê-lo com uma mulher que, sendo muçulmana, se recusou a fechar os olhos perante a opressão a que as restantes são sujeitas. Este homem e esta mulher fizeram mais pelos direitos das mulheres do que as habituais activistas de esquerda que, invocando tais direitos, se preocupam apenas, de uma maneira quase histérica, consigo próprias, com as suas barrigas, com a questão do aborto. Triste liberdade, a das mulheres que abortam. Estas activistas de esquerda, feministas ululantes, detentoras de dois ou três neurónios, estão-se literalmente nas tintas para os direitos das mulheres islâmicas. Nunca vi nenhuma a levantar a voz contra a obrigação de uma mulher usar um véu a cobrir-lhe o rosto. Assim como nunca vi nenhuma preocupada com esse ritual, primevo e inadmissível, que é a excisão do clítoris feminino. Pelo contrário, estas tipas enleiam-se no politicamente correcto e arranjam fundamentos antropológicos, culturais para justificar o injustificável. Admitem a utilização do véu e a excisão do clítoris e falam, a propósito de tais práticas, em liberdade cultural e liberdade religiosa. Borrifo-me para os sociólogos, para os antropólogos, para os merdólogos habituais, para as justificações históricas e culturais. Reclamo para estas mulheres exactamente os mesmos direitos que reclamo para mim. Nem que isso signifique ter de deitar para o caixote do lixo, pela pia abaixo, pela retrete, uma cultura milenar.

A questão que se coloca é a de saber se os países do Ocidente, sob a perigosa capa da diversidade cultural, do respeito pela diferença, podem aceitar tais práticas. A liberdade religiosa, a liberdade cultural pode justificar tudo, até o injustificável? Há um inegável confronto de ideias, de culturas, de civilizações. De um lado, temos a liberdade religiosa, a liberdade cultural dos povos, das nações. Do outro lado, temos os direitos fundamentais, património único da humanidade. Perante este conflito, quem deve ceder? É simples. É obvio que tem de ceder a liberdade religiosa. Assim como a liberdade cultural só pode ser tolerada se não puser em causa os direitos fundamentais. As práticas acima descritas põem em causa, precisamente, os direitos fundamentais das mulheres. Obrigar uma mulher a usar um véu é o mesmo que aceitar que a uma mulher jovem se pode tirar num ritual macabro o seu clítoris. Obrigar uma mulher a usar um véu é a mesma coisa que aceitar que uma mulher pode ser apedrejada em público até à morte por adultério. E não digam que elas andam assim porque querem. Andam assim porque lhes é negado um direito fundamental: a liberdade. Andam assim porque foram educadas no pressuposto da sua indignidade, da sua infinita menoridade.Há pouca gente a preocupar-se com isto. Há pouca gente a denunciar isto. Theo van Gogh, sendo homem, não olhou para o lado, não ignorou a realidade destas mulheres. Denunciou. E por isso morreu. Ainda que isso pouco signifique, merece o meu respeito, a minha maior admiração. Por esta razão, hoje, mais do que a possibilidade de um texano pouco hábil, quase burro, ser reeleito para a presidência dos EUA, inquieta-me que um homem, numa qualquer rua de Amesterdão, quando circulava de bicicleta, a caminho do estúdio onde trabalhava, tenha sido assassinado por ser livre e por reclamar, para os outros, a mesma liberdade.

(Escrevi este texto num outro blogue, o primeiro, no dia em que soube da morte de Theo Van Gogh. Estava furiosa. Continuo furiosa. Lembrei-me dele por causa do congresso feminista que hoje começa em Lisboa e também por causa da entrevista da Sofia Branco àSihem Habchi, do movimento Ni Putes, Ni Soumises, que, com lucidez, fala de coisas tão importantes.)
2008/06/24

Sem comentários: