sábado, 26 de novembro de 2016

A esperança direitinha em François Fillon

Orlando Braga 

A direitinha aposta na continuidade em França, mas com uma cara nova: François Fillon.Tudo como dantes, no quartel de Abrantes: só muda o nome do comandante.
A vantagem de François Fillon em relação a Sarkozy é a de não ter os “rabos de palha” que este tem; e a vantagem de François Fillon em relação a Alain Juppé é a de este último ser um candidato do sistema (tal como era Hillary Clinton). Mas em quase tudo, François Fillon será a continuidade da política de François Hollande.
A direitinha pensa que encontrou o candidato ideal: muda-se a cara, mantendo-se o cu.
François Fillon é uma espécie de Angela Merkel de França.
Os “católicos politicamente correctos” (passo a contradição em termos), eternos bem-pensantes, incapazes de reconhecer a origem do mal que os aflige e que eles denunciam — irão votar François Fillon. Mas a islamização da França irá continuar, sob os auspícios de François Fillon; a política de imigração será exactamente a mesma da praticada por François Hollande; e a política externa francesa pouco mudará, mantendo-se a aliança com Merkel na hostilidade a Putin (e agora, a Trump).
A possível eleição de François Fillon significaria “empurrar os problemas com a barriga”; e quanto mais tempo se adiam as soluções para os problemas civilizacionais que atormentam a Europa e a França, mais violentas serão essas soluções no futuro.

Sem comentários: