domingo, 27 de novembro de 2016

A política transformada em prostíbulo

A-24: Ainda da semana passada, e que me escapou. Não desgosto de Marcelo, já que no meio de tanta mediocridade era difícil pedir melhor para a presidência desta republicazeca, mas ler isto é ultrajante. Para um "católico" convicto, andar a dizer estas coisas só para agradar os convidados estrangeiros, que para além de tudo o resto, não são flores que se cheire, faz lembrar uma prostituta de rua a atirar piropos para os homens que passam por elas, a ver se algum lhe propõe algo. Depois disto, estou já à espera do encontro entre Marcelo e Obyang, da Guiné-Equatorial e ouvir o nosso sumo pontífice a apelidar o seu homólogo guineense de "grande democrata".


4 comentários:

Rick disse...

Não me surpreende vindo de um alucinado que não perdeu tempo para ir beijar a mão ao pastor-chefe Bergoglio(papa Chico,o mesmo que promove a vinda de muculmanos para a Europa)logo que foi eleito.

Afonso de Portugal disse...

O Marcelo é o arquétipo perfeito daquilo que muitos na blogosfera designam por "direitinha": chegou ao poder com os votos do eleitorado de Direita, mas é tão assumidamente globalista e multiculturalista como o mais convicto esquerdalhista.

O capitalismo tem os dias contados se depender apenas da vontade dos Marcelos deste mundo: não se pode perpetuar um sistema económico que emergiu precisamente da ordem social e do contexto cultural que os Marcelos querem agora -voluntária ou involuntariamente- destruir.

A-24 disse...

Rick, é verdade, este marcelo é o nosso "emplastro" internacional. Está em todas e não falha uma. Depois de 10 anos de imobilismo cavaquista, até cansa observar os lugares e as "personalidades" que este tipo contacta todos os dias. É uma agenda sempre cheia

A-24 disse...

Não teremos também um eleitorado de "direitinha", caro Afonso?! Esses candidatos são um espelho do que o eleitorado pretende deles. Nós não temos um verdadeiro eleitorado de direita nem nacionalista. Por mais absurdo que isto possa parecer, o único partido relativamente patriótico, com expressão eleitoral e mediatica, que farta-se de expor cartazes a pedir a nossa saída da UE e da zona euro, é o PCP. Este seria o melhor eleitorado para um dia levar para o lado nacionalista. Li hoje um post no Blasfémias sobre Le PEn e o seu programa é muito semelhante a um qualquer programa comunista, exceptuando a questão da emigração e dos valores próprios. É na absorção destes partidos de esquerda mais ortodoxos que o Nacionalismo e os partidos ditos de "extrema-direita" estão a crescer.