domingo, 27 de novembro de 2016

Um ditador é um ditador. Ponto final, parágrafo

José Manuel Fernandes

O balanço de quase 57 anos de castrismo é trágico. Inimigo das liberdades, apenas ofereceu ao povo uma pobreza resignada. Por isso é intolerável a duplicidade moral com que avalia o legado de Fidel.


Há muito que Fidel Castro não era uma figura deste tempo. Não por estar doente e afastado do poder, que passara ao irmão, mas por representar uma utopia há muito desacreditada, a utopia marxista-leninista, e a mais trágica das ilusões do século passado, a ilusão comunista.
O El Pais tinha ontem um título feliz: El siglo XX queda definitivamente atrás con la muerte de Fidel Castro. O texto centrava-se em Cuba, mas a mensagem serve para o mundo. Mesmo que alguns teimem em não a escutar.
Fidel sobreviveu a todos os demais não apenas porque viveu até aos 90 anos e morreu na cama. Fidel sobreviveu-lhes porque, mesmo tendo cedido as rédeas do poder ao seu irmão Raúl, morreu numa Cuba moldada à sua imagem e semelhança, subjugada à sua vontade, tão pateticamente “revolucionária” como o ancião que já só víamos em raras aparições envergando lustrosos fatos de treino.
Mas Fidel sobreviveu sobretudo porque conseguiu manter viva – ainda que cada vez mais tremelicante – a chama que alimentou o seu mito e o mito do socialismo “gentil” e caribenho. Há nessa sua arte uma mistura de felizes circunstâncias histórias, muito carisma pessoal e uma dose ainda mais considerável de cegueira de gerações de “sonhadores” sempre disponíveis para se deixarem seduzir por ditadores.
O mito castrista começou muito antes de entrar triunfalmente em Havana a 1 de Janeiro de 1959. Começou com um fracasso – o assalto ao quartel Moncada, em 1952 – e continuou com uma aventura – a partida, há exactamente 60 anos (a 25 de Novembro de 1956), do iate Granma da costa de Veracruz, no México, em direcção a Cuba com 81 jovens revolucionários a bordo. Depois aconteceu o milagre: Fidel estava entre os 12 revolucionários que conseguiram escapar a um desembarque catastrófico e, com base nessa minúscula força, conseguiu iniciar na Sierra Maestra um movimento de guerrilha que mais tarde o levaria até Havana.
Foi nesse tempo que a sua imagem romântica começou a ser construída, e por um jornalista do New York Times, Herbert Matthews, que o apresentou ao mundo como o homem que iria resgatar Cuba da ditadura corrupta de Fulgêncio Batista em nome dos mais puros ideais democráticos. Quando finalmente triunfou, não demorou a revelar os seus métodos: os julgamentos populares tornaram-se comuns na Cuba revolucionária, as execuções sumárias banais, muitas delas supervisionadas pelo seu companheiro Che Guevara. Não demoraria muito a abolir todos os partidos políticos, a liquidas a liberdade de expressão e informação, a promover a nacionalização de toda a economia e a sistematicamente ver-se livre de todos os que lhe poderiam fazer frente (Cienfuegos, o primeiro a fazer-lhe frente, morreu num acidente de aviação; Che vaguearia pelo mundo, embaixador da revolução, até ser morto nos confins da selva boliviana).
Só que, entretanto, já nascera o mito da revolução cubana – um mito que teve como primeira fonte tratar-se daquilo a que um antigo embaixador britânico, David Thomas, chamou “um produto crioulo”, isto é, uma revolução made in Cuba, uma revolução bem diferente das que, na Europa, tinham sido impostas pelos tanques soviéticos. Uma revolução que, para mais, era telegénica, com os seus “barbudos” e as suas fardas cor de azeitona. Korda, o fotógrafo revolucionário que captou a icónica imagem de Che Guevara que depressa começou a ser estampada em t-shirts por todo o mundo, imortalizaria também um Fidel de barrete militar e charuto na boca, uma imagem “cool” que contrastava com o cinzentismo das geriatrias que governavam a URSS e os países da Europa de Leste.
Se a tudo isto acrescentarmos a ideia, cuidadosamente cultivada, de um pequeno David (Cuba) e desafiar um poderoso Golias (os Estados Unidos), então temos quase todos os ingredientes necessários para explicar o fascínio que o castrismo teve, e que em parte ainda mantém apesar da evidente decadência do regime e do seu líder.
Mas para termos uma explicação completa é necessário acrescentarmos dois outros factores. O primeiro, foi o génio político de Castro. O segundo a duplicidade moral de boa parte da esquerda e da intelectualidade quando se trata de julgar ditadores socialistas.
O génio político de Castro – que quando entrou em Havana nem era ainda comunista, ao contrário do seu irmão Raúl e do próprio Che Guevara – passou, primeiro, por ter adoptado a ortodoxia que, nos anos da Guerra Fria, lhe permitia ter um aliado disponível para pagar todas as contas de uma Cuba com a economia dizimada pela estatização, e, depois, por ter percebido que só resistindo na ortodoxia e mantendo o regime o mais fechado possível, conseguiria sobreviver, isto é, conseguiria evitar ter o destino ingénuo de Gorbatchov.
Acontece porém que o génio da sobrevivência política nem sempre é um bem para quem tem de o suportar, algo que Portugal sentiu na carne porque Salazar também teve o génio para sobreviver à vitória das democracias na II Guerra e, depois, ao eclodir das guerras coloniais. Sabemos como isso condenou Portugal ao atraso, tal como sabemos como o castrismo condenou Cuba à miséria. Como em tempos disse Eloy Gutiérrez Menoyo, ex-comandante e revolucionário de 1959, “todos queríamos liberdade e justiça social, mas a revolução foi sequestrada por Fidel e o preço que pagámos foi demasiado alto”.
Altíssimo, tanto no que respeita á falta de liberdade – há muito menos liberdade em Cuba do que houve em qualquer período da ditadura salazarista, algo que só por absoluta cegueira se pode negar – como à pobreza generalizada a que condenou a ilha. Aquele que era o país mais desenvolvido da América Latina quando Castro entrou em Havana é hoje um dos mais pobres e nem sequer é verdade que isso tenha sucedido em nome da igualdade – em Cuba são pobres os que só têm pesos, vão-se desenrascando os que têm acesso aos dólares das remessas da emigração ou do turismo – ou por causa do “bloqueio”.
De resto a permanente insistência em atribuir todos os males do país ao “bloqueio” é, ao mesmo tempo, uma demonstração do génio político de Fidel, que sempre soube explorar a obsessão estúpida dos norte-americanos para explicar todos os seus fracassos económicos, e uma demonstração de como dominava as técnicas orwellianas de fazer com que a realidade não fosse o que era, mas a forma como o regime a descrevia. Na verdade Cuba nunca sofreu um “bloqueio”, nunca esteve cercada por navios que bloqueassem a entrada e saída de mercadorias dos seus portos ou F16 que fechassem o seu espaço aéreo. Cuba sempre pode ter relações comerciais com a maioria – a quase totalidade – dos países do mundo e com quase todos os seus vizinhos. Em Cuba pode-se mesmo encontrar produtos norte-americanos nas lojas, mas só nas lojas que só aceitam dólares. O “bloqueio” de Cuba sempre foi outro: uma economia dependente da monocultura da cana-de-açúcar que só sobreviveu com alguma largueza enquanto a URSS comprava as safras a preços muito acima dos de mercado. No entanto ainda hoje boa parte da esquerda (vejam-se as reacções à morte de Fidel do PCP e de figuras como Louçã) ainda nos falam dos sofrimentos do povo cubano como sendo uma consequência do inexistente “bloqueio” em vez de a atribuírem à mais que demonstrada ineficiência da sua economia estatizada.
Esta duplicidade moral da esquerda pode ser ilustrada com uma provocação simples, mas verdadeira: o regime de Castro matou muito mais opositores do que o regime de Pinochet; Castro, ao contrário de Pinochet, nunca permitiu uma consulta livre sobre o seu destino político, nem abandonou o poder respeitando a vontade popular; Castro encontrou uma Cuba corrupta mas economicamente dinâmica e deixa-a empobrecida e corrompida pelos mesmos males que vituperou, como prostituição, enquanto Pinochet recuperou a economia chilena, ainda hoje a mais dinâmica de toda a América Latina. Castro não deveria por tudo isso merecer mais condescendência do que a tolerância zero que justamente dedicamos à ditadura chilena. Sabemos bem como não é isso que acontece e como tantos procuram encontrar justificações e desculpas para continuarem a adular o “barbudo” que alimentou os seus sonhos juvenis, mas que hoje são apenas delírios senis.
Um ditador é um ditador, e quando tantos, à esquerda e até à direita, continuam a desculpar, justificar ou mesmo adular figuras como Fidel Castro, estão apenas a regressar à velha máxima que levou os Estados Unidos a apoiarem vários regimes ditatoriais: “é um filho da puta, mas é o nosso filho da puta”.
Possa a sua morte trazer melhores dias para o sacrificado povo cubano.

Sem comentários: