terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Livros: Muros de José Jorge Letria


José Jorge Letria

25,00 €

Não Ficção/História
Nas livrarias a 23 de Novembro
Guerra e Paz Editores

Donald Trump nunca vai ler este livro. Livros não são a sua chávena de chá. Ele é bom, esclareceu, na construção. Será que continuaria a prometer construir mais um muro, se lesse este livro? Numa altura em que se discutem políticas de proteccionismo um pouco por todo o mundo, Muros – Os muros que nos dividem, o novo livro de José Jorge Letria não podia ser mais actual. Construímos muros desde a Antiguidade: para defender o território e os bens, mas também para controlo e exclusão. Mata-se e morre-se em nome dos muros. Depois da queda do muro de Berlim, erguem-se novas barreiras de divisão territorial na Europa, sendo esse, como já dissemos, um dos estandartes das promessas do recém-eleito presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que pretende construir um muro na fronteira com o México.
Muros – Os muros que nos dividem é um livro sobre os muros clássicos, como a Muralha da China ou as de Adriano e de Antonino. Um livro sobre os muros que ainda hoje nos envergonham e dividem: entre o México e os EUA, entre as duas Coreias, na Cisjordânia, em Chipre. Um livro sobre o Muro de Berlim, que assombrou o nosso passado, mas também sobre os muros que se constroem hoje para impedir a migração dos refugiados que chegam à Europa. Este é um livro que fala dos muros, das suas histórias, das suas características físicas e da forma como, separando e dividindo, deixaram a sua marca na história mundial. Trata-se de um livro cartonado, com as três faces do miolo pintadas manualmente a negro.A sessão de lançamento decorre a 24 de Novembro, às 18h30, na Bertrand Picoas Plaza, em Lisboa. Com apresentação do jornalista Nicolau Santos.

1 comentário:

Bilder disse...

Por falar em Trump http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=854262 O Presidente eleito dos Estados Unidos da América, Donald Trump, aumentou a vitória que conseguiu nas eleições de novembro no estado do Wisconsin após uma recontagem de votos concluída na segunda-feira.