terça-feira, 10 de janeiro de 2017

30 mil atentados terroristas desde 2001

A-24: E quase todos estes atentados têm aquele denominador comum que nem vale a pena mencionar. Mas "não devemos ter medo", e "o problema não são os outros, somos nós".



Via Totalitarismo Universalista 
 
Aqueles que seguem o movimento contra-jihad conhecem de certeza o pequeno contador da página "The Religion of Peace", que reproduzo abaixo. O editor da página, Glen Roberts, concedeu uma entrevista ao psicólogo dinamarquês Nicolai Sennels em vésperas deste triste marco histórico, os 30 mil atentados terroristas islâmicos desde o 11-Set, na qual explica como são contabilizados os atentados.

Aqui ficam algumas partes muito interessante dessa entrevista: 

«Devo salientar que a BBC fez um estudo para o mês de Novembro de 2014, acabando por encontrar ainda mais atentados terroristas islâmicos do que eu tinha contabilizado.

(...) A grande maioria das vítimas eram civis inocentes que estavam no lugar certo à hora errada.

(...) Os terroristas parecem ter desenvolvido um sentido de aleatoriedade no planeamento dos seus ataques... qualquer alvo, qualquer lugar. Os jihadistas até se entregam quando não há infiéis suficientes para matar. Nenhum país ou localidade é seguro.
(...) Os países onde houve mais ataques são o Iraque, o Paquistão, o Afeganistão e a Tailândia.»

1 comentário:

Afonso de Portugal disse...

Mas atenção, destes 30 mil, só para aí meia-duzia é que eram mesmo islâmicos, hããã! Os outros foram obra de "maluquinhos", "desequilibrados", "falsos muçulmanos" ...e claro, da Mossad!!!

(obriagado pela referência, caro A-24)