terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

A ameaça de Wilders

Via: Tempo Contado
Com justificada razão anda a classe política holandesa aflita com o que pode vir a acontecer nas eleições em Março, pois nunca foi tão grande a expectativa, nem tão complicado o prognóstico.
É que não se trata apenas da probabilidade de o PVV, o partido de Geert Wilders, alcançar uma estrondosa vitória, mas também por ser grande a insatisfação para com os políticos e a desconfiança dos eleitores.
Dentro ou fora do governo, seguros de si e indiferentes ao que mostram de desdém, afirmam os políticos holandeses, e também o geral dos media, que o eleitor não merece confiança. É um tonto (sabem-no eles bem) que acredita em promessas mirabolantes, se mostra incapaz de pensar pela própria cabeça, e “deve ser protegido contra as escolhas que faz.”
Agora acontece que se há país onde os cidadãos tomam a política a sério, esse é de certeza a Holanda. Nos anos 70 um pouco mais de metade dos cidadãos dizia-se satisfeita com as instituições e o seu funcionamento, essa percentagem alcança actualmente 75 porcento. E desde há quinze anos para cá, nas legislativas mantém-se estável o número de abstenções, 25 porcento, um resultado apenas ultrapassado nas eleições em países diminutos como o Lichtenstein ou o Mónaco.
Mas se nas legislativas de Março não é o funcionamento das instituições que está em causa, o mesmo não se pode dizer a respeito das consequências da atitude elitista do governo e dos partidos que, segundo as previsões, irão ser confrontados com uma novidade: um grande número de eleitores deixará de votar “tradicionalmente”, isto é, seguindo o exemplo da família, os conselhos da religião, ou obedecendo às directivas dos sindicatos.
Todavia, qualquer que seja o resultado, é improvável que uma vitória de Wilders tenha como consequência a sua ascensão à chefia do governo, pois não seriam poucos os obstáculos a enfrentar, começando pelo facto do seu partido, que continua a ser “excomungado” pelas elites, não dispor de quadros suficientes.
Dada essa “excomunhão”, também nenhum partido se mostra disposto a coligar-se ao PVV, o que pode vir a criar uma situação pouco democrática, a de o partido vencedor se mostrar incapaz de corresponder à vontade dos eleitores.
Na hipótese de que tal venha a acontecer, isso confirmaria o sentimento de que a elite pouco caso fará do resultado das eleições, o que já levou Wilders a declarar: “Se ganharmos e nos puserem de lado, quem se vai queixar de que sairemos à rua a protestar?”
Essa é a possibilidade que, com razões de sobra, a muitos assusta.

5 comentários:

João José Horta Nobre disse...

A canalha anda com medo...

A Le Pen em França até pode perder, mas garantidamente na Holanda, penso que Geert Wilders tem a vitória garantida.

Rick disse...

Mas tem um problemas sério,parece que nenhum dos outros partidos se quer coligar caso o Wilders ganhe(sem maioria),logo haverá uma espécie de coligação anti-nacionalista na Holanda.Posso estar enganado mas não me parece que a solução para os países europeus(ou seja,limpar a casa e manter a soberania) venha a sair de eleições.

Rick disse...

http://www.jornaleconomico.sapo.pt/noticias/esta-e-a-nossa-terra-nao-a-sua-lider-da-extrema-direita-holandesa-causa-polemica-128092

João José Horta Nobre disse...

«Posso estar enganado mas não me parece que a solução para os países europeus(ou seja,limpar a casa e manter a soberania) venha a sair de eleições.»

Meu caro Rick, eu compreendo perfeitamente bem o que quer dizer, mas lá está, que outro remédio temos nós?...

A-24 disse...

Meus caros, mesmo que Wilders vença, irá ser constituida uma grande geringonça holandesa, encabeçada pelo PM Mark Rutte e vai ficar tudo na mesma, de qualquer das formas se Wilders vencer, uma coisa é certa, a Holanda já mudou definitivamente.