terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Donald Trump: O Pântano e o Fogo

Aleksander Dugin


O Pântano se tornará o novo nome da seita globalista, os adeptos da sociedade aberta, os maníacos LGBT, o exército de Soros, os pós-humanistas, e assim por diante. Drenar o pântano não é apenas o imperativo categórico estadunidense. É um desafio global para todos nós. Cada aldeia está agora sob o poder de seu próprio pântano. Todos juntos temos de começar a luta contra o pântano russo, o pântano francês, o pântano alemão e assim por diante. Precisamos purgar nossas sociedades da influência do pântano. Então, em vez de lutar entre nós, vamos drenar juntos. Os purificadores do mundo inteiro devem estar unidos!

O outro ponto é que o antiamericanismo acabou. Não porque fosse errado, mas pelo contrário: porque o povo norte-americano iniciou a revolução precisamente contra esse aspecto dos EUA que todos nós odiamos. Agora, a elite governante europeia, assim como parte da elite russa (que ainda é liberal) não pode ser culpada (como antes) de ser muito pró-americana. Deve ser culpada de agora em diante por ser o que é: uma gangue corrompida, pervertida e gananciosa de banksters (combinação de banqueiro e gângster) e destruidores de culturas, tradições e identidades. Então vamos drenar o pântano europeu. Chega de Hollande, Merkel, Bruxelas. Europa para os europeus. Os Soros e sua seita devem ser julgados publicamente.

O pântano é agora um fenômeno extraterritorial. Exatamente como uma rede terrorista internacional. O pântano está em toda parte e em nenhuma parte. Ontem, o centro do pântano, seu núcleo, estava localizado nos EUA. Hoje não. É a oportunidade para todos nós começar a caçá-los. O pântano já não tem uma forma manifesta e regionalmente fixa. No entanto, ele existe e ainda é muito, muito poderoso. Mas seu caráter anti-nacional é agora claro, explícito. O pântano não se esconde atrás da América do Norte. Ele foi para o exílio. Onde, Canadá? Europa? Ucrânia? Outros planetas onde alguns atores dopados e atrizes prometeram emigrar no caso da vitória de Trump. Então agora é a hora de cumprir a promessa. Parece como o rapto globalista. Eles agora são absorvidos pelo não-espaço, a u-topia. Na terra da utopia liberal, na terra de ninguém. Somos testemunhas da desterritorialização do pântano, da elite globalista, do Governo Mundial.

Qual é a estrutura do pântano?

Primeiro lugar, é a ideologia, o liberalismo. Precisamos do julgamento de Nuremberg sobre o liberalismo: a última ideologia política totalitária da Modernidade. Vamos fechar esta página da história.

Segundo: O pântano é uma cultura pós-modernista especial. Baseia-se na decomposição de qualquer entidade, por digitalização, esquizomorfismo compulsório e assim por diante. Drenar significa restaurar a unidade de arte apolínea. A arte deve retornar ao holismo.
Terceiro: o capitalismo transnacional global. É o motor material do pântano. É o crédito e o FED que faz contas verdes envenenadas. Temos de acabar com tudo isto e voltar ao setor real e à abordagem mercantilista.
Sugiro redescobrir as idéias de Pitirim Sorokin. Ele via a dinâmica social da história como uma cadeia de paradigmas sociais: ideacional, idealista e sensorial. Ideacional é a dominação absoluta do espírito sobre a matéria, o ascetismo e a subjugação violenta do mundo material à aspiração espiritual e religiosa. O tipo idealista é equilibrado e baseado na coexistência harmoniosa do espírito e da matéria, onde a parte espiritual é ligeiramente dominante, mas não exclusiva (como no tipo ideacional). O tipo sensorial de sociedade é a dominação da matéria sobre o espírito, do corpo sobre a alma. O tipo sensato de sociedade é o pântano. E, recentemente, parecia que "sensato" e "América do Norte" eram sinônimos. Depois de Trump tudo é diferente. Agora o sensato é global e ex-cêntrico. Há uma espécie de "translatio Imperii" - em nenhum lugar ou em toda parte.
Mas Sorokin enfatizou que a natureza cíclica da sociedade só requer essa sucessão: ideacional-idealista-sensorial. Depois de sensorial não pode permanecer idealista. Não há evolução possível do pântano para o semi-pântano. Depois do pântano vem o Sol. O Fogo, o Espírito. O Espírito em sua forma radical e ideacional. Então, para drenar o pântano precisamos de fogo solar. O grande incêndio. Deve estar em abundância.
O pântano e o fogo são dois elementos distribuídos por toda a terra. A geopolítica agora se torna vertical. Ambos estão em qualquer ponto. O significado do lugar é agora o ímpeto do processo de drenagem do pântano. Onde? Aqui e agora.
O pântano não é mais a hegemonia americana, o presidente dos EUA rejeita tal hegemonia. Portanto, é a hegemonia da "tout court", a hegemonia como tal, com um vácuo puramente pós-modernista no centro.
Os EUA são a extremidade ocidental do mundo. É o espaço da meia-noite. E ali é alcançado o ponto final da queda. Então o momento é a mudança dos pólos. O Ocidente torna-se Oriente. Putin e Trump em dois cantos óticos do planeta. No século XX, os dois extremos eram as formas mais radicais da modernidade: capitalistas e comunistas. Dois monstros apocalípticos, Leviatã e Behemoth. Agora se tornam duas promessas escatológicas: a Grande Rússia de Putin e a América do Norte em estado de libertação por Trump. O século XXI finalmente começou.
Então tudo o que precisamos agora é o Fogo.

Sem comentários: