quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

"Isto é Paris em 2017"



«Earlier this week, a busload of Korean tourists were also attacked in the area by the mob who robbed them and tried to set fire to their vehicle. The attack led the South Korean government to warn touristsagainst visiting Paris due to the violence.» - Chris Tomlinson, BREITBART
Eis Paris em 2017. Uma Capital - a famosa "Cidade da Luzes" - que já foi em tempos um símbolo icónico da Europa Ocidental, está hoje em processo de terceiro-mundização acelerada, tudo graças à escumalha que a classe política cosmopolita e traidora permitiu que entrasse pelas fronteiras da França adentro. Onde é que isto vai parar? Não sei. Ninguém sabe. Mas sei que uma coisa assim, não pode, nem vai acabar bem.

Os nacionalistas avisaram e reavisaram sobre isto tudo durante décadas a fio. Em troca, lançaram contra nós todos os adjectivos que há no dicionário de calão e pelo caminho, creio que ainda inventaram mais alguns, o último dos quais julgo que terá sido o chamarem a Trump um "fascist, loofa-faced, shit-gibbon". Alguém sabe o que é umloofa? Adiante...

Os nacionalistas são continuamente atacados das formas mais baixas e esta tendência parece que é mesmo para continuar. A título de exemplo, ainda hoje o Observador, jornal alinhado com a direita do "sistema" - os tais "moderados" do raio que os parta - publicou um artigo de José Milhazes, em que o mesmo descreve os partidos nacionalistas da Europa como sendo "forças políticas extremistas"apoiadas pelo Kremlin. No entanto, eu gostava que José Milhazes me explicasse quantos militantes destas tais "forças políticas extremistas"é que andam a incendiar autocarros de turistas coreanos em Paris?... Quantos nacionalistas é que andam a apedrejar carros de polícia, a assaltar e agredir cidadãos, a violar mulheres e crianças, e a espalhar o terror nos subúrbios de Paris? São os nacionalistas, as tais "forças políticas extremistas" que andam a fazer isto? Ou será que são os tais imigrantes e descendentes de imigrantes, maioritariamente de origem islâmica e/ou africana?...

Entretanto, o Vaticano também decidiu juntar-se à "festa" e disparou mais uma pedrada contra as forças patrióticas, alertando que está preocupado com o "alastramento do Nacionalismo". Resta-me apenas perguntar: se o Papa e o Vaticano gostam tanto dos alógenos terceiro-mundistas que todos os dias espalham o terror nos subúrbios de Paris e muitas outras cidades europeias, então porque não deixam de ser hipócritas e vão viver junto dos seus "irmãos" afro-islâmicos, em lugar de estarem encafuados como ratazanas atrás dos muros do Vaticano que, por sinal, estão muito bem protegidos e vigiados pela Guarda Suíça?!...

O "sistema" pode continuar a mentir e pode continuar a tentar iludir, que a cada dia que passa, cada vez mais cidadãos abrem os olhos sobre a grave situação que estamos a viver nesta Europa, que é na realidade, uma Anti-Europa. Temos contra nós o Vaticano e todas as igrejas protestantes, toda a elite cultural e política reinante, mais a maioria dos "jornalistas", mais os sindicatos, mais a elite intelectual, estão todos unidos e todos conspiram contra os nacionalistas e mesmo assim, mesmo face a todos estes inimigos muito bemfinanciados que nos cercam e atacam sem descanso, mesmo assimnós não paramos de somar vitória atrás de vitória. Uma a uma, as peças do dominó internacionalista vão tombando e com elas tomba a Nova Ordem Mundial, que há-de acabar a breve trecho soterrada nos seus próprios escombros.

Quanto aos traidores que nos arrastaram a esta miséria e desgraça, a esses, muito provavelmente irá restar-lhes escolherem entre a prisão perpétua com direito a trabalhos forçados, o fuzilamento (a corda também é opção...), ou simplesmente fazerem as malas e fugirem como ratos a saltar de um barco que se afunda, para fora destaEuropa que tão laboriosamente andaram a tentar destruir ao longo das últimas décadas.

João José Horta Nobre 

1 comentário:

João José Horta Nobre disse...

Obrigado pela divulgação.

Abraço ;)