quinta-feira, 27 de abril de 2017

"Joana Amaral mostra tudo"


Carlos G. Pinto no Insurgente


Neste post do Facebook, Joana Amaral Dias mostra tudo o que há para mostrar sobre a esquerda portuguesa.|
Sendo uma desbocada de esquerda que, ao contrário dos outros, não tem nada a perder, verbaliza aquilo que os outros apenas pensam. Vivessem em França e muitos dos eleitores de BE, PCP e PS iriam em surdina votar em Le Pen para ver a UE a arder e a réstima de mercado livre que ainda existe a desaparecer. Macron é um centrista, social-democrata, que defende o sistema nacional de saúde, educação pública, o sindicalismo, entre outras coisas. Mas para a esquerda, isso já não chega. É preciso mais. Quem não defender mais do que isso é apenas neoliberal. Quem não defender taxas de 80% sobre os rendimentos mais altos, ou se atrever a sugerir reformas que ajudem a economia a sustentar o estado social mais 1 ou 2 décadas, não passa de um neoliberal.
Numa bicada ao seu anterior partido, Joana Amaral Dias mostra também toda a hipocrisia da participação da extrema esquerda nesta solução de governo. A troco da manutenção dos tachos sindicais (no caso do PCP) e na criação de tachos institucionais (no caso do BE), a extrema esquerda portuguesa conseguiu fazer as maiores piruetas ideológicas e calar o protesto de rua. Quando se reduziam os salários mais altos da Função Pública (algo que tem uma influência marginal na qualidade dos serviços) queixavam-se que se estava a destruir o serviço público. Quando se corta nos gastos nos serviços e nas horas trabalhadas (algo que efectivamente diminui a qualidade do serviço público), ficam em silêncio.

2 comentários:

Afonso de Portugal disse...

Há poucas coisas melhores do que um marxista honesto! :)

Não deixa contudo de ser profundamente lamentável que uma militante de um partido do sistema proponha a abstenção como protesto legítimo. Resta saber se é por convicção ou por ignorância. No caso dela, tudo é possível!

A-24 disse...

Ela colocou-se à parte do sistema de tachos, é um género de Rui tavares ou Daniel Oliveira da esquerdalha. Patética, ao apenas ter tido destaque por estas declarações infelizes, ao fim de tanto tempo e por forma a não dar ainda mais uma de "desaparecida que ninguém quer saber"