terça-feira, 25 de abril de 2017

Sobre o 25 de Abril

Paulo Milheiro da Costa 

No dia 25 de Abril de 1974, quando se tornou claro que o golpe tinha resultado, haveria com certeza portugueses apreensivos ou assustados, mas o sentimento largamente dominante era sem dúvida de esperança. Esperança em dias melhores. Esperança no fim da impopular guerra colonial. Esperança em progresso econômico. Esperança nas virtudes da Liberdade. Nunca, creio, a esperança foi tão grande, tão generalizada e tão palpável. O ambiente era de alegria e, sim, de libertação. A violência esteve ausente, o regime vigente caiu sem sequer esboçar resistência. Tudo parecia possível. Neste sentido, o dia foi indiscutivelmente memorável e merece ser recordado.
Porém, quem tomou o poder não esteve à altura da situação. Nos dias, semanas e meses subsequentes - para não dizer anos e décadas - a esperança e a alegria foram substituídas pela desilusão e revolta, tantos foram os erros graves cometidos. Visto em retrospectiva, a tarefa de reinventar o país em liberdade era gigantesca, claro e as expectativas eram ingenuamente altas. Mas o facto é que o país não foi capaz de responder adequadamente. Criou instituições fracas e corruptas. Fez opções desastrosas na economia. A classe dirigente, da esquerda à direita, desperdiçou as oportunidades que teve. Revelou-se inepta e escandalosamente venal. E adquiriu o hábito de se festejar a si própria e ao regime que criou, em claro divórcio com a população e em negação da realidade. O resultado é um país pobre, endividado e envelhecido, dividido em castas de filhos e enteados, cínico, descrente e muito pouco ambicioso nas coisas que contam. Apontado pela OCDE como candidato a país mais pobre de toda a Europa daqui por poucas dêcadas.

Não era fácil, é verdade, mas era possível fazer muito melhor. As celebrações oficiais desse dia longínquo de há 43 anos são organizadas por quem tinha obrigação de ter feito muito mais e melhor. Servem apenas para tentar esconder esse falhanço. Sao uma mentira e uma traição às esperanças desse dia.

Sem comentários: