quarta-feira, 10 de maio de 2017

"Conversa da treta" por Helena Matos

Helena Matos

Alexander Van der Bellen, presidente da Áustria: “ainda teremos de pedir a todas as mulheres para cobrirem as suas cabeças de forma a combatermos a islamofobia”.
 
New York Times: o termo mutilação genital tem uma carga cultural. Ao usarmos corte estamos a usar uma palavra menos marcada culturalmente 
O horror a emitir qualquer juízo de valor faz com que vivamos uma fase de verdadeira purga das palavras; na verdade faz tanto sentido não usar a expressão mutilação genital para não chocar as populações provenientes de África quanto não usar o termo homicídio mas sim atravessamento com faca para dar conta das mortes provocadas pelas maras sul-americanas, nomeadamente nos seus rituais de admissão, 
Comum às sugestões do presidente da Áustria e da escolha das palavras por parte do New York Times é a ideia de que a tolerância perante os outros implica que temos de abdicar dos nossos valores

2 comentários:

Bilder disse...

E todos os imbecis/canalhas que andam a propor que os europeus percam seus valores em nome da tal tolerância são em geral os mesmos que "enchem a boca" com os tais valores europeus.Seria para rir senão fosse trágico.

A-24 disse...

A Helena Matos ainda foi mais longe do que eu esperava, pois eu nem tinha ligado estas palavras do Van der Bellen, com o machismo implicito das mesmas. "Sim, vamos ser tolerantes com os alógenos, e quem pagará issos erão as mulheres". Muito bem visto por ela.