domingo, 14 de maio de 2017

"Os franceses já tomaram tanto no cu que se sentiram obrigados a dizer que gostam." - Olavo de Carvalho (1947 - )

"Os franceses já tomaram tanto no cu que se sentiram obrigados a dizer que gostam." - Olavo de Carvalho (1947 - )

Os franceses ontem votaram e escolheram Macron, ou seja, escolheram mais da mesma merda. Pessoalmente e depois do desastre em que se transformou Trump, não sei se as coisas seriam muito diferentes caso Marine Le Pen tivesse vencido as eleições. Aliás, a grande lição de Trump é que o mais difícil não é conseguir fazer com que um candidato nacionalista e anti-sistema ganhe uma eleição, mas sim, conseguir fazer com que ele uma vez instalado no poder, cumpra integralmente com o que prometeu durante a campanha.

Seja como for e à semelhança do que ocorreu recentemente na Holanda, a "derrota" de Le Pen não passa de uma vitória de Pirro para o cartel mundialista/globalista. Por ora, pode dar a impressão de que o "perigo nacionalista" foi afastado e é essa ideia que os media ao serviço do "sistema" pretendem transmitir, mas a verdade é que as elites mundialistas estão a empreender uma fatal fuga para a frente, que por um lado é o resultado do seu desespero disfarçado e que por outro, serve os objectivos dos supremacistas judeus que a partir de Wall Street puxam discreta e disfarçadamente os "cordelinhos" tanto em Washington, como em Bruxelas.

Ninguém precisa de viajar até uma ditadura no sentido tradicional do termo para perceber como é que um regime pode lavar eficazmente a cabeça dos seus súbditos. Basta saírem à rua se forem cidadãos da UE e ouvirem o que a maioria das pessoas diz. A maioria dos cidadãos são gente extremamente mal informada ou simplesmente ignorante demais para perceber seja o que for sobre o que verdadeiramente se está a passar. O resultado é que o assim chamado "Zé Povinho" cai na propaganda do "sistema" com uma facilidade extraordinária e muitos acreditam mesmo naquilo que vêem nos jornais e telejornais ao serviço das pseudo-democracias da UE. Apenas isto explica como foi possível que depois de todo o terrorismo islâmico que tem ocorrido em França nos últimos anos, mesmo assim, a família Rothschild seja capaz de colocar em campo um lacaio patético como Macron, que se faz passar por alguém "anti-sistema" e a maioria dos eleitores não só cai na esparrela, como ainda se dão ao trabalhar de irem votar no paspalho! É realmente notável esta capacidade que o povo tem para se auto-sodomizar contínua e perpetuamente.

A França, a seu tempo, será inevitavelmente transformada num novo Líbano e terá também a sua guerra civil em larga escala, que promete vir a ser muito pior e mais mortífera do que a Guerra Civil Libanesa alguma vez conseguiu ser. A história registada aqui não engana: por todo o lado onde mouros e cristãos se juntam em grande número, mais tarde ou mais cedo, a "coisa" entra em choque e dá guerra. Sempre assim foi e sempre assim será. Só espero que depois, quando esta tragédia anunciada se concretizar, não venham dizer que os nacionalistas é que foram os culpados, porque se houve forças políticas que avisaram inúmeras vezes contra esta "libanização" da Europa que está em curso, foram as forças nacionalistas. No fim, muitos dos que hoje lutam contra nós e nos atacam, acabarão por nos dar razão, o problema é que nessa altura poderá já ser demasiado tarde para se conseguir inverter a tragédia...

João José Horta Nobre

2 comentários:

João José Horta Nobre disse...

Obrigado pela divulgação.

Abraço!

A-24 disse...

De nada. É sempre um prazer. Abraço