quarta-feira, 3 de maio de 2017

"Pequeno sumário sobre a vida, o universo e tudo"

Vitor Cunha 

Todo o sistema ideológico moderno consiste na busca espiritual de algo que nos transcende como humanos.|

Durante centenas de anos tivemos Deus para preencher esse papel, porém, em 1960, isso começou a mudar. Podemos falar de marxismo cultural — que é uma realidade, note-se —, mas, como tudo neste planeta, grandes mudanças só ocorrem através de grandes eventos disruptivos. Apenas a partir de 1960 estavam reunidas as condições para a revolução espontânea, aquela que verdadeiramente mobiliza as pessoas, não as revoluções das Catarinas Martins de esquerda ou de direita. A pílula contraceptiva permitiu iniciar o processo de transição da divindade metafísica para a revolução sexual. De forma progressiva, a influência clerical no ocidente foi decrescendo pela constatação da obsolescência de um único mandamento: “não cobiçaras a mulher do próximo”. A partir do momento em que a cobiça de mulher alheia acarreta uma probabilidade muito mais reduzida de gerar descendência bastarda e, consequentemente, de mais bocas para nutrir, o campo de acções humanas “democratizou-se”, para usar um termo querido aos progressistas. Note-se que o termo “mulher” é usado de forma tradicional, aparentando uma noção de posse do homem, o que não é reflexo da nova realidade. A emancipação da mulher passou a ocorrer no ponto em que lhe foi dada a possibilidade de usufruir da capacidade natural para o prazer sem a responsabilidade inerente ao risco de maternidade. A mulher passou a ser o sexo do poder, a chave para o bem-estar masculino, quem manda, quem decide com quem dorme. Nada assusta mais um muçulmano dos malucos que a ideia de poder sexual de uma mulher.

À medida que os anos foram passando e as gerações se foram renovando, a facção mais carente dos agora desprovidos de transcendência metafísica através de religião (estou a pensar em vós, Fernanda Câncio e Isabel Moreira) foi criando uma série de regras — mandamentos — do que teria que mudar para a plenitude do Homem Novo, o que já não consistia no conceito original que os comunistas ainda tentam usar e sim num que integrasse toda a plenitude sexual sem componente reprodutiva.
 
Finalmente, nos últimos 20 anos, o progressivismo constituiu-se plenamente em Igreja, assimilando os antigos ritos e sacramentos para uma versão em tudo idêntica mas desprovida de Deus. Tal foi possível através da repetição sistemática do conceito de “igualdade” jacobina: a existência de Deus é uma clara violação do conceito de igualdade, se Ele está acima de todas as coisas.
- O baptismo transformou-se na numeração sistemática dos indivíduos na tribo através do número fiscal. Nenhum de nós teve NIF como recém-nascido, hoje é atribuído imediatamente no registo (topem a palavra usada, “registo”) da criatura.
- Os safe spaces são os templos onde podemos encontrar a congregação, a missa onde afirmamos a nossa fé e onde temos a segurança de não sermos confrontados com outros credos ou, neste caso concreto, ideias que desafiem a ontologia da nossa crença no conhecimento by proxy. A preponderância do especialista, do comentador sancionado, de todo o Clero da pós-modernidade nos jornais (bastante inconsequentes) e na televisão (muito mais relevantes).
- O Pecado Original transformou-se na Culpa do Homem Branco. Somos culpados pela colonização, pelos escravos, por atrocidades que possam ter sido cometidas no que hoje são territórios de outros estados, sem que, porém, tenhamos, nós próprios, colonizado, possuído ou transacionado escravos e cometido qualquer atrocidade.
- Os rituais de iniciação na comunidade, a Comunhão e o Crisma são substituídos pela doutrinação social e sexual da escola, com temáticas como o aborto para miúdos do 5º ano, um marco em tudo semelhante aos rituais “antigos” que consistem em afirmar a fé e a crença em Jesus. O ministério da educação, como máquina burocrática, não passa de um mecanismo bacoco de veneração do Santo Pénis.
- A necessidade de ser sancionado nos seus comportamentos pela comunidade — e, não podendo ser por Deus, pelo Estado — através do casamento homossexual, cuja importância esteve, precisamente, na utilização da palavra “casamento”.
- A eutanásia como óbvia extrema-unção estatal.
 
Perguntam-me o que podemos fazer. Respondo que não é de hoje e compreendo que essa resposta cause desilusão. As coisas são o que são, independentemente de acharmos que são diferentes apenas nos últimos dois ou três anos. É que, bem vistas as coisas, a única coisa que aconteceu muito recentemente foi a substituição de directores de jornais por pessoas bastante estúpidas ao serviço do novo Clero, o clero que exige ser conhecido, ironicamente, como anti-clerical.

Sem comentários: